Avaliação microbiológica da água utilizada nos serviços de hemodiálise na cidade do Rio de Janeiro nos anos 2016 a 2018

Palavras-chave: Hemodiálise, Avaliação Microbiológica, Pseudomonas aeruginosa, Qualidade

Resumo

Introdução: A qualidade da água nos serviços de hemodiálise é fundamental para evitar riscos à saúde de pacientes com insuficiência renal. Objetivo: Monitorar a qualidade microbiológica de amostras de água tratada de serviços de hemodiálise, na cidade do Rio de Janeiro. Foram coletadas 480 amostras para análise microbiológica (cinco pontos de coleta) e 192 para pesquisa de endotoxinas (dois pontos) nas inspeções de 96 clínicas de hemodiálise, entre 2016 e 2018, pela Vigilância Sanitária do município do Rio de Janeiro. Método: Metodologias descritas na Farmacopeia Brasileira, na RDC nº 11/2014 e na Portaria de Consolidação nº 5/2017. Resultados: Vinte por cento de amostras do ensaio microbiológico apresentaram número elevado de bactérias aeróbias (> 100 UFC/mL) e 24% das amostras da análise de endotoxinas (LAL) apresentaram valores acima do preconizado (> 0,25 EU/mL). Setenta e oito por cento das clínicas (75/96) foram insatisfatórias, 41 por apresentarem alta contagem de bactérias heterotróficas e 34 pela detecção de endotoxinas pelo LAL. Foram identificados 563 isolados por testes bioquímicos confirmatórios, Pseudomonas aeruginosa (35,5%), Burlkolderia cepacia (21,3%), Stenotrophonomas maltophilia, (19,1%), Acinetobacter baumannii (15,1%) e Ralstonia pickettii (9,0%). Conclusões: Nossos resultados nos permitem concluir que o monitoramento sistemático da qualidade da água nos serviços de hemodiálise é essencial para proporcionar segurança e evitar agravos à saúde de pacientes.

Biografia do Autor

Priscila Rodrigues de Jesus, Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (INCQS/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ

Nutricionista pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, apta a atuar nas grandes áreas da Nutrição: Clínica, Saúde Coletiva, Alimentação Coletiva, Ciência de Alimentos; Sanitarista pela ENSP/FIOCRUZ; Especialista em Vigilância Sanitária pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde/ FIOCRUZ; Cursando Especialização em Gestão da Segurança de Alimentos e Qualidade Nutricional, Especialização em Nutrição clínica aplicada a Infectologia e Mestrado em Vigilância Sanitária; Técnica em Análises Clinicas pela rede FAETEC.

Juliana dos Santos Carmo, Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (INCQS/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ

Farmaceutica pela UFRJ. Residente em vigilância Sanitária no INCQS/FIOCRUZ.

Joana Angelica Barbosa Ferreira, Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (INCQS/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ

Doutora em Vigilância Sanitária. Atualmente é coordenadora do Núcleo Técnico Artigos e Insumos de Diálise e coordenadora e professora do Curso de Capacitação em Coleta de Água para Hemodiálise e Curso de Atualização em Microbiologia de Fármacos, Fitofármacos, Cosméticos, Artigos e Insumos de Diálise da Pós-graduação do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz e tecnologista senior-h1 do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz. Tem experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Microbiologia de Produtos, atuando principalmente nos seguintes temas: microbiologia de matérias-primas, água de hemodiálise, medicamentos, cosméticos, artigos e insumos de saúde.

 

Referências

Sousa M.R.G., Silva A.E.B., Camargo, B.A.L.Q., Freitas J.S., Miasso A.I.. Eventos adversos em hemodiálise: relatos de profissionais de enfermagem. Rev. esc. enferm. USP [Internet]. 2013 Feb [cited 2018 Dec 16] ; 47( 1 ): 76-83. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342013000100010

Sesso, R.C.; Lopes A.A.; Thomé F.S.; Lugon J.R.; Martins C.T. Inquérito Brasileiro de Diálise Crônica. J Bras Nefrol; 38(1):54-61, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jbn/v39n3/pt_0101-2800-jbn-39-03-0261.pdf

Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN). Tratamentos- O que é hemodiálise. http://sbn.org.br/publico/tratatamentos/hemodialise/>.

Junior, J.E.R. O rim e suas doenças. Sociedade Brasileira de Nefrologia. SBN. Disponível em: http://www.sbn.org.br/Publico/rim.htm. Acesso em 11 agosto 2015.

Hoenich, N. A. Ronco C, Levin R. The importance of water quality and haemodialysis fluid composition. Blood Purification. v. 24: p.11-18. 2006.

Vasconcelos, P.D.S. de. Monitoramento da água de diálise: um estudo de caso em uma clínica do município de Recife. Rio de Janeiro. Monografia (Curso de Especialização em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde do Departamento de Saúde Coletiva) – Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas Ageu Magalhães. 2012.

Bommer, J., Jaber, B. L. Ultrapure dialysate: facts and myths. Seminars in Dialysis v. 19 p. 115-119. 2006.

Brasil. Resolução – RDC/ ANVISA N° 11, DE 13 DE MARÇO DE 2014. Estabelece o Regulamento Técnico para o funcionamento dos Serviços de Diálise. [Diário Oficial da República Federativa do Brasil], Brasília, 11 de março de 2014. https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/rdc-154-de-15-de-junho-de-2004>.

ANVISA. AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Farmacopeia Brasileira, volume 1. 5ª Ed. Brasilia, 2010. http://www.anvisa.gov.br/hotsite/cd_farmacopeia/pdf/volume1%2020110216.pdf>

Vorbeck-Meister, Sommer R, Vorbeck F, Hörl WH. Quality of water used for haemodialysis: bacteriological and chemical parameters. Nephrology Dial. Transplant. v.14 p.666-675. 1999.

Association for the advancement of medical instrumentation, AAMI. American national standard for hemodialysis systems, ANSI/AAMI no. RD52, 2004.

Tena D, Carranza R, Barberá JR, Valdezate S, Garrancho JM, Arranz M, et al. Outbreak of long-term intravascular catheter bacteremia due to Achromobacter xylosidans subspecies xylosidans in a hemodialysis init. European Journal Microbiology Infect Disease. V. 24, p. 727-732. 2005.

Lo Cascio G, Bonora MG, Zorzi A, Mortani E, Tessitore N, Loschiavo C, et al. A napkin-associated outbreak of Burkholderia cenocepacia bacteraemia in haemodialysis patients. Journal of Hospital Infection. V. 64, p. 56-62. 2006.

Wang, S.A., Levine R.B., Carson L.A., Arduino M.J., Killar T., Grillo F.G., et al. An outbreak of Gram-negative bacteremia in haemodyalisis patients traced to haemodialysis machine waste drain ports. Infection Control Hospital Epidemiology v. 20 p. 746-741. 1999.

Magalhães M, Doherty C, Govan JR, Vandamme P. Polyclonal outbreak of Burkholderia cepacia complex bacteraemia in haemodialysis patients. Jornal of Hospital Infection. V. 54 p. 120-123. 2003.

Lonnemann, G. The quality of dialysate: an integrated approach. Kidney Int. 76: S112-119. 2000. https://www.kidney-international.org/article/S0085-2538(15)47408-3/pdf>.

Versalovic, J. et al, Manual of clinical microbiology. 10 ed. Washington D.C., American Society for Microbiology, 2011.

Brasil. Portaria/MS n.0 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. In: Portaria de consolidação nº 5, de 28 de setembro de 2017 [Diário Oficial da República Federativa do Brasil], Brasília, 05 de setembro de 2017. Disponível em:http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/29/PRC-5-Portaria-de-Consolida----o-n---5--de-28-de-setembro-de-2017.pdf

Jorgensen, J.H.; Pfaller, M.A. Manual of clinical microbiology. 11 Ed. Washington D.C., American Society of Microbiology. 2015.

Peresi J.T.M., Almeida I.A.Z. Castanheira de, T.I.S. de C., Silva S.I. de L., Alves E.C., Marques D.F. et al . Pseudomonas aeruginosa: ocorrência e suscetibilidade aos agentes antimicrobianos de isolados de amostras de água tratada utilizada em solução de diálise. Rev. Inst. Adolfo Lutz (Impr.) [periódico na Internet]. 2011.

Ferreira, J.A.B.. Diversidade Genética, Perfil de Resistência aos Antimicrobianos e Produção de Biofilme de amostras de Pseudomonas aeruginosa Isoladas da Água Utilizada em Unidades de Terapia Renal Substitutiva. Rio de Janeiro. Monografia (Curso de Mestrado em Vigilância Sanitária) – Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde. 2009.

Ferreira, J. A. B.; Nóbrega, H. N.; Vieira, V. V.; Abrantes, S. M. P.. Diversidade genética e produção de biofilme de amostras de Pseudomonas aeruginosa isoladas da água utilizada em unidade de terapia renal substitutiva. Analytica (São Paulo), v. 11, p. 56-70, 2013. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/8504/2/analytica_65_56-70.pdf

Donlan, R. M. Biofims: microbial life on surfaces. Emerging Infect Disease, v. 8, n. 9, p. 881-890, 2002.

The united States Pharmacopeia 40. United States Pharmacopeial Convention. 40. ed. Rockville: U. S. Pharmacopeial, 2017.

Ferreira, J.A.B. Avaliação microbiológica da Água utilizada nas unidades de terapia renal substitutiva no Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Monografia (Curso de Especialização em Controle da Qualidade de Produtos, Ambientes e Serviços Vinculados à Vigilância Sanitária) – Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde. 2006.

Almodovar, A. A. B.; Buzzo, M.L.; Silva F.P.L.; Hilinski E.G.; Bugno A. Efetividade do programa de monitoramento da qualidade da água tratada para diálise no estado de São Paulo. J. Bras. Nefrol., São Paulo, 2018

Buzzo ML; Bugno, M.; Almodovar, A.A.B.; Kira, C.S.; Carvalho, M.F.H.; Souza, A.; et al. A importância de programas de monitoramento da qualidade da água para diálise na segurança dos pacientes. Rev Inst Adolfo Lutz. São Paulo, 2010; 69(1):1-6.

Smeets E, Kooman J, Van der Sande F, Stobberingh E, Frederik P, Claessens P, et al . Prevention of biofilm formation in dialysis water treatment systems. Kidney International, v. 63, n. 4, p. 1574-6, 2003.

Publicado
2019-02-28
Como Citar
Jesus, P., Carmo, J., & Ferreira, J. (2019). Avaliação microbiológica da água utilizada nos serviços de hemodiálise na cidade do Rio de Janeiro nos anos 2016 a 2018. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 7(1), 53-59. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01252
Seção
Artigo