Farmacovigilância em tuberculose: experiência-piloto de um Centro de Referência do Rio de Janeiro, Brasil

Palavras-chave: Farmacovigilância, Eventos Adversos, Notivisa

Resumo

Introdução: Farmacovigilância é um conjunto de atividades que tem por objetivo identificar, avaliar, compreender e prevenir possíveis eventos adversos (EA) ao uso de medicamentos através da detecção precoce dos problemas de segurança relacionados a esses produtos. Objetivo: Descrever a experiência do projeto-piloto de Farmacovigilância em Tuberculose realizado no Centro de Referência Professor Hélio Fraga da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no período de julho de 2013 a fevereiro de 2014. Resultados: Foram avaliadas 15 notificações e os principais EA encontrados foram: poliartralgia (dois); neuropatia periférica (um); dor articular (cinco), sendo um desses com insônia; artralgia (dois); alteração da acuidade visual (um); diarreia (três); vômitos, cefaleias, dor articular e náuseas (um). As variáveis analisadas foram: Gravidade, Não graves, Providências adotadas e Medicamentos suspeitos. Gravidade: 11 eram efeitos clinicamente importantes e, dentre estes, um foi notificado como incapacidade persistente ou significante; Não graves: quatro notificações descritas; Providências adotadas: quatro notificações com interrupção do medicamento suspeito e em quatro houve redução da dose e em sete houve manutenção da dose; Medicamentos suspeitos; o Levofloxacino foi o medicamento mais prescrito aos pacientes e suspeito de causar EA. Conclusões: Os resultados mostraram que alguns medicamentos utilizados no tratamento da tuberculose resistente são mais propensos de causarem EA. Existe a necessidade de adotar medidas para que os medicamentos sejam objetos de atenção permanente.

Biografia do Autor

Erica Fernandes da Silva, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ

Graduada em Farmácia pelo Centro Universitário Augusto Motta - UNISUAM (2009). Mestranda em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Especialista em Saúde Pública pela Estácio e em Pneumologia Sanitária pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). Atuação profissional: Atualmente é Farmacêutica Responsável Técnica da farmácia do Centro de Referência Professor Hélio Fraga - ENSP/FIOCRUZ.

Aline Gerhardt de Oliveira Ferreira, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ

Graduada em Farmácia Industrial pela Universidade Federal Fluminense (2006) com habilitação em Bioquímica com ênfase em Análises Clínicas pela mesma Universidade (2008).

Fabiano Caseira Macedo da Silva, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ

 Técnico de farmácia.

Jonatas Reis Barreto, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ

 Técnico de farmácia.

Referências

Brasil. Lei nº 5.991 de 17 de dezembro de 1973. Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, Medicamentos, Insumos Farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 21 dez 1973.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. O que é farmacovigilância? Brasília, DF: Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 2017[acesso 30 mai 2017]. Disponível

em: http://portal.anvisa.gov.br/o-que-e-farmacovigilancia

Martins A.C., Giodani F, Guaraldo L. Eventos adversos a medicamentos. Rio de Janeiro: Proqualis; 2016[acesso 20 abr 2017]. Disponível em: https://pt.slideshare.net/Proqualis/eventos-adversos-a-medicamentos

Organização Mundial da Saúde. Departamento de medicamentos Essenciais e Outros Medicamentos. A importância da Farmacovigilância / Organização Mundial da Saúde – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005.

World Health Organization - WHO. The Safety of medicines in public health programmes. Geneva: World Health Organization; 2006.

World Health Organization - WHO. Upssala Monitoring Centre. World Health Organization. [acesso 20 abr 2017]. Disponível em: https://www.who-umc.org/global-pharmacovigilance/members/

Organização Pan-Americana da Saúde – Rede Pan Americana de Harmonização da Regulamentação Farmacêutica – Documento Técnico nº 05: Boas Práticas de farmacovigilância para as Américas. Washington, D.C.: OPAS, 2011.

Brasil. Portaria Nº 3916, de 30 de outubro de 1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Diário Oficial da União. 10 nov 1998.

Brasil. Lei nº 9.782, de 26 de janeiro de 1999. Define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, Cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária e dá outras providências. Diário Oficial da União. 27 jan 1999.

Capucho HC. Monitoramento e Avaliação Farmacoterapêutica: o medicamento fez efeito? Qual? Brasília: Representação Brasil Vol. 1, Nº 20, OPAS/OMS; 2016.

The Global Health Network. Glossary of drug safety terms. 2016[acesso 20 mar 2017]. Disponível em: https://globalpharmacovigilance.tghn.org/site_media/media/medialibrary/2016/05/GHN_PVGlossary_23May2016.pdf.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Manual do usuário NOTIVISA – Formulário para a notificação de eventos adversos à medicamento – Profissional da Saúde - Anexo 3. Brasília, DF: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. [acesso 19 jul 2017. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33868/379890/ea_medicamento_profissional.pdf/cdc25729-481d-4ad2-b57d-f1c8db23fda4

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária. [acesso 12 jul 2017]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/apresenta.htm

Brasil. Portaria nº 529, de 1º de abril de 2013. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente. Diário Oficial da União. 1 abr 2013.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Resolução Nº 36, de 25 de julho de 2013. Institui ações para a segurança do paciente em serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União. 26 jul 2013.

Rosemberg J. Tuberculose – Aspectos históricos, realidades, seu romantismo e transculturação. Boletim de Pneumologia Sanitária. Jul/dez, 1999; 7(2): 1-25.

ISSN 0103-460X.

Souza MVN, Vasconcelos TRA. Fármacos no combate à tuberculose: passado, presente e futuro. Revista Química Nova. 2005; 28(4): 678-82. doi.org/10.1590/S0100-40422005000400022

World Health Organization - WHO. Global Tuberculosis Report 2016. Geneva: World Health Organization; 2016. [acesso 15 mai 2017]. Disponível em: http://www.who.int/tb/publications/global_report/gtbr2016_main_text.pdf?ua=1

World Health Organization - WHO. The Safety of medicines in public health programmes. Geneva: World Health Organization; 2006.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasil livre da tuberculose: Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como problema de saúde pública. 1a ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2017.

Rocha JL, Silva CHL, Cyriaco CSS, Cury MEC, Oliveira MG, Gasparotto MS et al. Farmacovigilância em tuberculose: relato de uma experiência no Brasil. Rev Visa Deb. 2015;3(2):131-35. doi.org/10.3395/2317-269x.00270

Vieira DEO, Gomes M. Efeitos adversos no tratamento da tuberculose: experiência em serviço ambulatorial de um hospital-escola na cidade de São Paulo. J Bras Pneumol. 2008;34(12):1049-55. dx.doi.org/10.1590/S1806-37132008001200010

Tanani DS, Serragui S, Hammi S, Moussa LA, Soulaymani A, Soulaymani R et al. National strategy for the integration of pharmacovigilance in the Moroccan TB Control Program. The Pan African Medical Journal. 2017; 29: 26-48. doi.org/10.11604/pamj.2017.26.48.7394

Julieta C, Marconi, Agustina MM, Laura PM, Sebastián W, Edgardo KG. Sistema de farmacovigilancia: conocimiento y actitudes de los médicos del primer nivel de atención y tasa de notificación de efectos adversos para medicación antituberculosis. Rev Am Med Respir. 2017; 17(2):156-161. ISSN 1852-236X.

Valeriano TGC, Comarella L. Farmacovigilância como ferramenta de gerenciamento de riscos visando à segurança do paciente. Rev Saúde Des. 2015; 8(4): 60-74. ISSN 2316-2864.

Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente – IBES. Novo sistema registra eventos adversos de medicamentos e vacinas. 2018. [acesso 22 jan 2019]. Disponível em: https://www.segurancadopaciente.com.br/qualidade-assist/novo-sistema-registra-eventos-adversos-de-medicamentos-e-vacinas/

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. VigiMed. [acesso 22 jan 2019]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/vigimed

Marques SM, Barros, KVG. Farmacovigilância no Brasil: histórico e avanços. [acesso 17 jul 2017]. Disponível em:

http://www.cpgls.pucgoias.edu.br/8mostra/Artigos/SAUDE%20E%20BIOLOGICAS/Farmacovigil%C3%A2ncia%20no%20Brasil%20hist%C3%B3rico%20e%20avan%C3%A7os.pdf

Publicado
2019-02-28
Como Citar
Silva, E., Ferreira, A., Silva, F., & Barreto, J. (2019). Farmacovigilância em tuberculose: experiência-piloto de um Centro de Referência do Rio de Janeiro, Brasil. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 7(1), 71-75. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01263
Seção
Relato de Experiência