“Suape: desenvolvimento para quem?” – Documentário como estratégia para vigilância e promoção da saúde

  • Mariana Olívia Santana dos Santos Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz (CPQAM/Fiocruz), Recife, PE
  • Isaltina Maria de Azevedo Mello Gomes Universidade de Pernambuco, Faculdade de Ciências Médicas (FCMUPE), Recife, PE
  • Idê Gomes Dantas Gurgel Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz (CPQAM/Fiocruz), Recife, PE
  • Lia Giraldo da Silva Augusto Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz (CPQAM/Fiocruz), Recife, PE
Palavras-chave: Desenvolvimento Sustentável, Vigilância em Saúde, Saúde do Trabalhador, Comunicação e Saúde, Promoção da Saúde

Resumo

Pernambuco tem ampliado o Complexo Industrial Portuário de Suape (CIPS) mediante a instalação de um polo petroquímico financiado pelo Programa de Aceleração do Crescimento. Esse modelo de desenvolvimento econômico tem ocasionando profundas transformações políticas, socioeconômicas e culturais, gerando injustiças, conflitos refletidos na saúde e no ambiente da população. Este artigo analisa esses processos de vulneração a partir da representação social dos sujeitos que vivem e atuam em Suape. Realizou-se pesquisa-ação, seguindo princípios da abordagem ecossistêmica em saúde através de visita de campo, entrevistas semiestruturadas sistematizadas em seis categorias analíticas utilizando Expressões Chave e Ideias Centrais do discurso que resultaram no documentário “Suape, desenvolvimento para quem?”. Foram realizados oito cine debates para validação do documentário e discussão sobre as problemáticas vivenciadas em Suape e estratégias de atuação em defesa da saúde. Conclui-se que o documentário se configurou como uma estratégia de comunicação adequada para a população vulnerada, pois possibilitou discussões temáticas de saúde, vigilância e questões ambientais vivenciadas no território, de forma ampliada e participativa evidenciando perigos e nocividades atuais e futuros. Também possibilitou esboçar uma série de agendas de luta em defesa da promoção da saúde e da proteção do meio ambiente, expressas no cine debate.

Biografia do Autor

Mariana Olívia Santana dos Santos, Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz (CPQAM/Fiocruz), Recife, PE
Bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal de Pernambuco (2006), Especialista e mestra em Saúde Pública pelo CPqAM - Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, onde atualmente está no segundo ano do doutorado também em saúde pública. Tem desenvolvido estudos com ênfase em comunicação e saúde e saúde ambiental e do trabalhador. Atualmente é integrante da equipe de pesquisa do Laboratório Saúde, Ambiente e Trabalho do CPqAM onde participa dos projetos de pesquisa "Os impactos socioambientais decorrentes da industrialização em Suape" e "Os Impactos do projeto de Integração do rio São Francisco". Integra a Comunidade de Prática sobre as Abordagens Ecossistêmicas em Saúde (CoPEH) na América Latina e no Caribe (CoPEH-LAC) e no Canadá (CoPEH-Canada), Rede Brasileira de Justiça Ambiental e Rede Saúde e Cultura e o Fórum Suape Espaço Socioambiental PE através da perspectiva de ciência cidadã. Tem interesse em atuar na área de formação/educação, comunicação e saúde coletiva. Faz parte do grupo de pesquisa certificado pelo CNPq Saúde Ambiental na linha de pesquisa Saúde, trabalho e ambiente nos territórios de desenvolvimento humano.
Isaltina Maria de Azevedo Mello Gomes, Universidade de Pernambuco, Faculdade de Ciências Médicas (FCMUPE), Recife, PE
graduada em Letras, pela Faculdade de Filosofia do Recife, e Jornalismo, pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Fez especialização em Produção de Programas Radiofônicos, no Ciespal (Quito-Equador), e Mestrado e Doutorado em Linguística, ambos na UFPE. Trabalha com questões relacionadas à linguagem nos meios de comunicação, mas tem interesse especial pela área de Divulgação Científica, na qual desenvolve trabalhos acadêmicos e profissionais desde 1999. Membro do Comitê Temático de Divulgação Científica do CNPq (2011-2017), onde está como coordenadora. Atualmente é Professora Associada IV da UFPE e atua como docente no curso de Jornalismo, do Departamento de Comunicação Social da UFPE, e no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFPE.
Idê Gomes Dantas Gurgel, Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz (CPQAM/Fiocruz), Recife, PE
Graduada em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba- UFPB - CAMPUS 1(1989), Mestre (1998) e Doutora (2007) em Saúde Pública pelo Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães/Fundação Oswaldo Cruz-CPqAM/FIOCRUZ. Realizou Estágio de Doutorando (Doutorado Sandwich) na Escola de Ambiente e Desenvolvimento da Universidade de Manchester (UK). Atualmente é docente e pesquisadora do Departamento de Saúde Coletiva do Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães/Fundação Oswaldo Cruz e coordena o Mestrado Profissional em Saúde Pública/CPqAM/Fiocruz. Tem desenvolvido estudos acerca da relação Saúde, Ambiente, Trabalho e Vulnerabilidades Sociais; Análise de Política de Saúde e Uso do Conhecimento Científico na Política de Saúde. É Coordenadora do Fórum Pernambucano de Combate aos Efeitos dos Agrotóxicos na Saúde do Trabalhador, no Meio Ambiente e na Sociedade.
Lia Giraldo da Silva Augusto, Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz (CPQAM/Fiocruz), Recife, PE
Possui graduação em Medicina pela Universidade de São Paulo (1974), mestrado em Clínica Médica pela Universidade Estadual de Campinas (1991) e doutorado em Ciências Médicas pela Universidade Estadual de Campinas (1995). Fez especializações em: pediatria, Saúde Pública, Medicina do Trabalho, Epidemiologia e Psicanálise. Atualmente é professor adjunto da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco e pesquisador titular aposentado da Fiocruz, permanece no quadro permanente de docentes da Fundação Oswaldo Cruz. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em saúde ambiental, ocupacional, atenção primária à saúde, promoção da saúde, análise de risco ambiental para a saúde. Atua principalmente nos seguintes temas: saude ambiental, abordagem ecossistêmica, saúde do trabalhador, análise de risco e de vulnerabilidade. Atua em diversas frentes pelo campo da saúde coletiva: Grupo temático Saúde e Ambiente da Abrasco, Rede Brasileira de Justiça Ambiental, Fórum Permanente de Combate aos agrotóxicos e pela vida, Fórum Pernambucano de Combate aos efeitos dos agrotóxicos. É Professor Associado da Universidade Andina Simón Bolívar- Quito.
Publicado
2016-11-25
Como Citar
Santos, M., Gomes, I., Gurgel, I., & Augusto, L. (2016). “Suape: desenvolvimento para quem?” – Documentário como estratégia para vigilância e promoção da saúde. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 4(4), 60-70. https://doi.org/10.22239/2317-269x.00847