Fluoretação das águas de abastecimento público: 10 anos de monitoramento em 38 municípios do Centro-Oeste Paulista, São Paulo, Brasil

Autores

  • Caroline Demai Romani Centro de Laboratório Regional de Bauru, Instituto Adolfo Lutz (IAL), São Paulo, SP Autor
  • Regina Célia Arantes Stancari Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM), Uberaba, MG Autor
  • Gabriel Antonio Nogueira Nascentes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM), Uberaba, MG Autor
  • Laís Anversa Centro de Laboratório Regional de Bauru, Instituto Adolfo Lutz (IAL), São Paulo, SP Autor

DOI:

https://doi.org/10.22239/2317-269X.01169

Palavras-chave:

Água, Flúor, Fluoretação, Abastecimento Público, Vigilância Sanitária

Resumo

Introdução: No estado de São Paulo, a concentração de flúor na água de abastecimento público deve ser mantida na faixa de 0,6 a 0,8 mg/L, a fim de prevenir a cárie e evitar o risco de fluorose. Objetivo: Avaliar a concentração de fluoretos na água de abastecimento público dos municípios de abrangência do Grupo de Vigilância Sanitária de Bauru. Método: Os dados foram extraídos da rotina do Instituto Adolfo Lutz – Bauru e oriundos de 38 municípios monitorados pelo Programa de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Proágua), no período de 2007–2016. As análises laboratoriais foram realizadas utilizando-se o método potenciométrico com eletrodo íon-seletivo e a interpretação dos resultados baseou-se na Resolução SS nº 250/95 e na classificação proposta pelo Centro Colaborador do Ministério da Saúde em Vigilância da Saúde Bucal (CECOL). Resultados: Das 8.887 amostras analisadas, 31,1% apresentaram teores inadequados de íons fluoretos, sendo que 22,7% estavam abaixo e 8,4% acima do limite estabelecido pela legislação. De acordo com a proposta do CECOL, 59,4% das amostras exibiram benefício máximo para prevenção de cárie e 0,6% revelaram risco muito alto para produção de fluorose dentária. Conclusões: Tais dados apontam a necessidade de aprimorar o controle operacional do processo de fluoretação e enfatiza a importância da vigilância da qualidade da água.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Laís Anversa, Centro de Laboratório Regional de Bauru, Instituto Adolfo Lutz (IAL), São Paulo, SP
    Pesquisadora Científica no Instituto Adolfo Lutz - Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas.

Publicado

2018-11-30

Edição

Seção

Artigo

Como Citar

Fluoretação das águas de abastecimento público: 10 anos de monitoramento em 38 municípios do Centro-Oeste Paulista, São Paulo, Brasil. (2018). Vigilância Sanitária Em Debate , 6(4), 47-55. https://doi.org/10.22239/2317-269X.01169

Artigos Semelhantes

1-10 de 467

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.