Detergentes enzimáticos no reprocessamento de produtos para a saúde

Palavras-chave: Detergentes, Enzimas, Eficácia, Infecção Hospitalar, Vigilância sanitária

Resumo

Introdução: Os detergentes enzimáticos são amplamente utilizados, na etapa de limpeza do reprocessamento de produtos para a saúde (PPS), como endoscópios, instrumentos cirúrgicos e materiais odonto-hospitalares. Objetivo: Identificar pesquisas que abordem a eficácia desses detergentes na remoção da sujidade presente em PPS e visem responder a questionamentos em relação a sua ação efetiva. Método: Foi utilizado o método de revisão integrativa que permite a análise de pesquisas científicas de forma ampla e sistemática, favorecendo a caracterização e a divulgação do conhecimento produzido. Foram utilizados os bancos de dados eletrônicos Scientific Electronic Library Online (SciELO), National Library of Medicine (PubMed), Scopus e Web of Science. Foram incluídos os artigos publicados no período de 2002 a 2017, tendo como descritores Enzymatic and Detergents and Cleaning. Resultados: Dos 148 artigos encontrados, 113 foram excluídos a partir da leitura analítica dos textos, sendo a principal causa de exclusão, os artigos repetidos (48). Foram selecionados para o presente estudo 35 artigos. Conclusões: Verificou-se a diversidade de PPS empregados que, dependendo da sua complexidade, influenciam nos resultados finais da análise. Em sua maioria (71% – 20/28), as pesquisas de caráter experimental sobre ação dos detergentes enzimáticos enfatizam sua eficácia na remoção de carga microbiana e/ou biofilme e outras sujidades. Portanto, são indicados para o reprocessamento de PPS, como os laparoscópicos, laringoscópios, endoscópios e instrumentos endodônticos. Este último apresenta vantagem em relação aos demais PPS, uma vez que não têm superfícies internas que não possam ser alcançadas.

Biografia do Autor

Maria Pasionaria Blanco Centurión, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ

Mestrado em Vigilância Sanitária no INCQS/Fiocruz (2017). Pós-graduação em Análises Clinicas pela Sociedade Brasileira de Análises Clinicas SBAC (2013). Graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Paraná UFPR (2009). Atualmente desenvolve atividades no acompanhamento de processo de criação, organização e desenvolvimento de cursos e eventos (reuniões, congressos, colóquios, seminários e demais agendas) oriundos de cooperações intra/extra institucionais promovidos pela ENSP/Fiocruz.

Adriana Sant’Ana da Silva, Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ

Possui Mestrado em Ciências, Especialização em Controle da Qualidade de Produtos, Ambiente e Serviços vinculados à Vigilância Sanitária pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) da Fundação Oswaldo Cruz e graduação em Licenciatura e Bacharelado em Química pela Universidade do Grande Rio. Atualmente é tecnologista em saúde pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/RJ) e Chefe do Departamento de Química do INCQS. Tem experiência na área de Vigilância Sanitária, com ênfase em Química, atuando principalmente nos seguintes temas: controle da qualidade de saneantes e cosméticos, desenvolvimento e validação de métodos analíticos e treinamento de profissionais do INCQS, Laboratórios Oficiais (LACENS) e profissionais da Vigilância Sanitária.

Leonardo de Souza Lopes, Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ

Possui Mestrado em Vigilância Sanitária e especialização em Controle da Qualidade de Produtos, Ambiente e Serviços vinculados à Vigilância Sanitária pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) da Fundação Oswaldo Cruz. Atualmente é Servidor Público da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/RJ). Tem experiência na área de Vigilância Sanitária, com ênfase em Química, atuando principalmente nos seguintes temas: controle da qualidade de medicamentos, cosméticos e saneantes, desenvolvimento e validação de métodos analíticos e treinamento de profissionais do INCQS e dos Laboratórios Oficiais (LACENS).

Célia Maria Carvalho Araujo Romão, Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ

Possui graduação em Farmácia Bioquímica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1977), mestrado em Ciências (Microbiologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985) e doutorado em Biologia Parasitária pela Fundação Oswaldo Cruz (2005). É Tecnologista em Saúde Pública senior do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz. Possui experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Controle Microbiológico de produtos sujeitos à vigilância sanitária, em especial os saneantes, atuando principalmente nos seguintes temas: desinfetantes, desinfecção e esterilização hospitalar e laboratorial, atividade antimicrobiana de desinfetantes, susceptibilidade de micro-organismos aos desinfetantes e outros biocidas.

Referências

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Resolução n° 15, de 15 de março de 2012. Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para a saúde e dá outras providencias. Diário Oficial da União 16 mar 2012 [acesso em 13 jul 2018] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2012/rdc0015_

_03_2012.html

Costa EAM, Costa EA. The reprocessing of medical products: from regulatory polices to operational practices. Ciênc Saúde Colet. 2011 Dez;16(12):4787–94. doi:10.1590/S1413-81232011001300027.

Chiu K-W, Tsai M-C, Wu K-L, Chiu Y-C, Lin M-T, Hu T-H. Surveillance cultures of samples obtained from biopsy channels and automated endoscope reprocessors after high-level disinfection of gastrointestinal endoscopes. BMC Gastroenterol. 2012 Sep;12(1). doi:10.1186/1471-230X-12-120.

Carbonne A, Thiolet JM, Fournier S, Fortineau N, Kassis-Chikhani N, Boytchev I, et al. Control of a multi-hospital outbreak of KPC-producing Klebsiella pneumoniae type 2 in France, September to October 2009. Euro Surveill. 2010 Dez;15(48). PubMed PMID: 21144448.

Duarte RS, Lourenco MCS, Fonseca L d. S, Leao SC, Amorim E d. LT, Rocha ILL, et al. Epidemic of Postsurgical Infections Caused by Mycobacterium massiliense. J Clin Microbiol. 2009 Jul;47(7):2149–55. doi: 10.1128/JCM.00027-09.

Southworth PM. Infections and exposures: reported incidents associated with unsuccessful decontamination of reusable surgical instruments. J Hosp Infect. 2014 Nov;88(3):127–31. doi:10.1016/j.jhin.2014.08.007.

Dancer SJ, Stewart M, Coulombe C, Gregori A, Virdi M. Surgical site infections linked to contaminated surgical instruments. J Hosp Infect. 2012 Aug;81(4):231–8. doi: 10.1016/j.jhin.2012.04.023.

Rutala WA. Guideline for Disinfection and Sterilization in Healthcare Facilities. 2008;161 [acesso em 13 jan 2018] Disponível em: https://www.cdc.gov/infect

ioncontrol/guidelines/disinfection/

Godfrey T, West S, organizadores. Industrial enzymology. 2nd ed. New York: Stockton Press; 1996. 609 p.

Brasil. Lei n° 9.782 de 26 de janeiro de 1999. Define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e dá outras providências. Diário Oficial da União 27 jan 1999. [acesso em 10 jan 2018]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9782.htm

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Resolução n° 55, de 14 de novembro de 2012. Dispõe sobre os detergentes enzimáticos de uso restrito em estabelecimentos de assistência à saúde com indicação para limpeza de dispositivos médicos e dá outras providências. Diário Oficial da União 21 nov 2012. [acesso em 20 fev 2018]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/3153268/RDC_55_2012.pdf/719da261

-765e-4d51-a7c2-62c69262c9b1?version=1.0

Ren W, Sheng X, Huang X, Zhi F, Cai W. Evaluation of detergents and contact time on biofilm removal from flexible endoscopes. Am J Infect Control. 2013 Sep;41(9):e89–92. doi: 10.1016/j.ajic.2013.01.027.

Vickery K, Ngo Q-D, Zou J, Cossart YE. The effect of multiple cycles of contamination, detergent washing, and disinfection on the development of biofilm in endoscope tubing. Am J Infect Control. 2009 Aug;37(6):470–5. doi: 10.1016/j.ajic.2008.09.016.

Vickery K, Pajkos A, Cossart Y. Removal of biofilm from endoscopes: evaluation of detergent efficiency☆. Am J Infect Control. 2004 May;32(3):170–6. doi: 10.1016/j.ajic.2003.10.009.

Fang Y, Shen Z, Li L, Cao Y, Gu L-Y, Gu Q, et al. A study of the efficacy of bacterial biofilm cleanout for gastrointestinal endoscopes. World J Gastroenterol. 2010 Feb;16(8):1019–24. PubMed PMID: 20180244; PubMed Central PMCID: PMC2828589.

Alfa MJ, Singh H, Nugent Z, Duerksen D, Schultz G, Reidy C, et al. Simulated-Use Polytetrafluorethylene Biofilm Model: Repeated Rounds of Complete Reprocessing Lead to Accumulation of Organic Debris and Viable Bacteria. Infect Control Hosp Epidemiol. 2017 Nov;38(11):1284–90. doi:10.1017/ice.2017.215.

Lopes C de LBC, Graziano KU, Pinto T de JA. Evaluation of single-use reprocessed laparoscopic instrument sterilization. Rev Lat Am Enfermagem. 2011 Apr;19(2):370–7. doi:10.1590/S0104-11692011000200020.

Pires CW, Fraga S, Beck ACO, Braun KO, Peres PEC. Chemical Methods for Cleaning Conventional Dentures: What is the Best Antimicrobial Option? An In Vitro Study. Oral Health Prev Dent. 2017;15(1):73–77. doi:10.3290/j.ohpd.a37716.

Stiefel P, Mauerhofer S, Schneider J, Maniura-Weber K, Rosenberg U, Ren Q. Enzymes Enhance Biofilm Removal Efficiency of Cleaners. Antimicrob Agents Chemother. 2016 June;60(6):3647–52. doi:10.1128/AAC.00400-16.

Bradford BD, Seiberling KA, Park FE, Hiebert JC, Chang DF. Disinfection of rigid nasal endoscopes following in vitro contamination with Staphylococcus aureus, Streptococcus pneumoniae, Pseudomonas aeruginosa, and Haemophilus influenzae. JAMA Otolaryngol Head Neck Surg. 2013 June;139(6):574–8. doi: 10.1001/jamaoto.2013.3016.

Chang D, Florea A, Rowe M, Seiberling KA. Disinfection of flexible fiberoptic laryngoscopes after in vitro contamination with Staphylococcus aureus and Candida albicans. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2012 Feb;138(2):119–21. doi: 10.1001/archoto.2011.1204.

Alvarado CJ, Anderson AG, Maki DG. Microbiologic assessment of disposable sterile endoscopic sheaths to replace high-level disinfection in reprocessing: a prospective clinical trial with nasopharygoscopes. Am J Infect Control. 2009 June;37(5):408–13. doi:10.1016/j.ajic.2009.04.276.

Tessarolo F, Caola I, Fedel M, Stacchiotti A, Caciagli P, Guarrera GM, et al. Different experimental protocols for decontamination affect the cleaning of medical devices. A preliminary electron microscopy analysis. J Hosp Infect. 2007 Apr;65(4):326–33. doi: 10.1016/j.jhin.2006.10.015.

Rerknimitr R, Eakthunyasakul S, Nunthapisud P, Kongkam P. Results of gastroscope bacterial decontamination by enzymatic detergent compared to chlorhexidine. World J Gastroenterol. 2006 July;12(26):4199–202. PubMed PMID: 16830374; PubMed Central PMCID: PMC4087373.

Henoun Loukili N, Zink E, Grandadam S, Bientz M, Meunier O. Effectiveness of detergent–disinfecting agents on Escherichia coli 54127 biofilm. J Hosp Infect. 2004 June;57(2):175–8. doi: 10.1016/j.jhin.2003.12.005.

Augustin M, Ali-Vehmas T, Atroshi F. Assessment of enzymatic cleaning agents and disinfectants against bacterial biofilms. J Pharm Pharm Sci. 2004 Feb;7(1):55–64. PubMed PMID: 15144735.

Zühlsdorf B, Floss H, Martiny H. Efficacy of 10 different cleaning processes in a washer–disinfector for flexible endoscopes. J Hosp Infect. 2004 Apr;56(4):305–11. doi:10.1016/j.jhin.2004.01.001.

Crawford TC, Allmendinger C, Snell J, Weatherwax K, Lavan B, Baman TS, et al. Cleaning and Sterilization of Used Cardiac Implantable Electronic Devices With Process Validation: The Next Hurdle in Device Recycling. JACC Clin Electrophysiol. 2017 June;3(6):623–31. doi:10.1016/j.jacep.2016.12.007.

Walker SL, Fourgialakis M, Cerezo B, Livens S. Removal of Microbial Biofilms from Dispense Equipment: The Effect of Enzymatic Pre-digestion and Detergent Treatment. J Inst Brew. 2007 Jan;113(1):61–6. doi:10.1002/j.2050-0416.2007.tb00257.x.

da Costa Luciano C, Olson N, Tipple AFV, Alfa M. Evaluation of the ability of different detergents and disinfectants to remove and kill organisms in traditional biofilm. Am J Infect Control. 2016 Nov;44(11):e243–9. doi:10.1016/j.ajic.2016.03.040.

da Costa Luciano C, Olson N, DeGagne P, Franca R, Tipple AFV, Alfa M. A new buildup biofilm model that mimics accumulation of material in flexible endoscope channels. J Microbiol Methods. 2016 Aug;127:224–9. doi:10.1016/j.mimet.2016.06.022.

Tsaousis KT, Werner L, Reiter N, Perez JP, Li HJ, Guan JJ, et al. Comparison of different types of phacoemulsification tips. II. Morphologic alterations induced by multiple steam sterilization cycles with and without use of enzyme detergents. J Cataract Refract Surg. 2016 Sep;42(9):1353–60. doi:10.1016/j.jcrs.2016.02.053.

Whitworth CL, Davies K, Palmer NOA. Can protein contamination be removed from hand endodontic instruments? Prim Dent Care. 2009 Jan;16(1):7–12. doi:10.1308/135576109786994569.

Lawson VA, Stewart JD, Masters CL. Enzymatic detergent treatment protocol that reduces protease-resistant prion protein load and infectivity from surgical-steel monofilaments contaminated with a human-derived prion strain. J Gen Virol. 2007 Oct;88(10):2905–14. doi:10.1099/vir.0.82961-0.

Whitworth CL, Davies K, Palmer NOA, Martin MV. An investigation of the decontamination of Siqveland matrix bands. Br Dent J. 2007 Feb;202(4):E12. doi:10.1038/bdj.2007.142.

Parashos P, Linsuwanont P, Messer HH. A cleaning protocol for rotary nickel-titanium endodontic instruments. Aust Dent J. 2004 Mar;49(1):20–7. PubMed PMID: 15104130.

Rutala WA, Gergen MF, Weber DJ. Efficacy of a Washer-Disinfector in Eliminating Healthcare-Associated Pathogens from Surgical Instruments. Infect Control Hosp Epidemiol. 2014 July;35(07):883–5. doi:10.1086/676867.

Aasim SA, Mellor AC, Qualtrough AJE. The effect of pre-soaking and time in the ultrasonic cleaner on the cleanliness of sterilized endodontic files. Int Endod J. 2006 Feb;39(2):143–9. doi:10.1111/j.1365-2591.2006.01058.x.

Walker N, Burke FJT, Palenik CJ. Comparison of ultrasonic cleaning schemes: a pilot study. Prim Dent Care. 2006 Apr;13(2):51–6. PubMed PMID: 16608596.

Nugent PG, Modi T, McLeod N, Bock LJ, Smith C, Poolman TM, et al. Application of rapid read-out cleaning indicators for improved process control in hospital sterile services departments. J Hosp Infect. 2013 May;84(1):59–65. doi:10.1016/j.jhin.2012.12.015.

Alfa MJ, Olson N. Comparison of washer-disinfector cleaning indicators: Impact of temperature and cleaning cycle parameters. Am J Infect Control. 2014 Feb;42(2):e23–6. doi:10.1016/j.ajic.2013.10.005.

Steinmann M, Rosenberg U. A Method for Quantification of the Cleaning Performance in the Ultrasonic Bath. Vol. 20. 2012. 33 p.

Barbosa JM, Souza ACS, Tipple AFV, Pimenta FC, Leão LSN de O, Silva SRMC. Endoscope reprocessing using glutaraldehyde in endoscopy services of Goiânia, Brazil. Arq Gastroenterol. 2010 Sept;47(3):219–24. doi:10.1590/S0004-28032010000300002.

Graziano KU, Balsamo AC, Lopes C de LBC, Zotelli MFM, Couto AT, Paschoal MLH. Critérios para avaliação das dificuldades na limpeza de artigos de uso único. Rev Lat Am Enfermagem. 2006 Feb;14(1):70–6. doi:10.1590/S0104-11692006000100010.

Schmidt DRC, Yonekura CSI, Gil RF. Instrumento para avaliação de detergentes enzimáticos. Rev Esc Enferm USP. 2008 Jun;42(2):282–9. doi:10.1590/S0080-62342008000200011.

Frãþilã O, Tanþãu M. Cleaning and disinfection in gastrointestinal endoscopy. Dig Endosc. 2006 Mar;15(1):89–93. doi:10.1046/j.1443-1661.2003.00221.x.

Sava A. Biofilm digestion: more confusion than answers. Am J Infect Control. 2005 Dec;33(10):614. doi:10.1016/j.ajic.2005.05.023.

Publicado
2019-02-28
Como Citar
Centurión, M., Silva, A., Lopes, L., & Romão, C. (2019). Detergentes enzimáticos no reprocessamento de produtos para a saúde. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 7(1), 33-41. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01248
Seção
Artigo