Segurança Transfusional: um método de Vigilância Sanitária para avaliação de riscos potenciais em serviços de hemoterapia

  • João Batista Silva Junior Universidade de Brasília Mestrando em Saúde Coletiva Departamento de Saúde Coletiva Faculdade de Ciencias da Saúde/ UnB
  • Daphne Rattner Universidade de Brasilia Professora Adjunta Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília.
Palavras-chave: Serviço de Hemoterapia, Vigilância Sanitária, Controle de Riscos, Avaliação

Resumo

O artigo descreve o método de avaliação de risco potencial em serviços de hemoterapia (MARPSH) aplicado pela Vigilância Sanitária (VISA) no Brasil. Esse instrumento permite a identificação de riscos potenciais por meio do mapeamento dos multicritérios de controle e modelação das preferências para tomada de decisão, inserindo-o no âmbito da gestão proativa do risco. O MARPSH estrutura-se em 471 itens de controle, sendo 50% relaciona-dos a riscos ao produto, 25% ao paciente, 17% ao doador e 8% ao trabalhador do serviço. Cada risco identificado é categorizado quanto à severidade, sua probabilidade e sua pos-sibilidade de dano. Os sistemas analíticos utilizam a atribuição de duas ponderações, uma na valoração dos itens de controle e outra se refere à complexidade dos procedimentos. A relação entre a pontuação alcançada e a pontuação máxima possível origina o indicador Proporção de Controle (PC), pelo qual o risco potencial é classificado em Baixo (PC ≥ 95%), Médio-Baixo (80% ≤ PC < 95%), Médio (70% ≤ PC < 80%), Médio-Alto (60% ≤ PC < 70%) e Alto (PC < 60%). A utilização do MARPSH permite o monitoramento e o controle da redução dos riscos e, consequentemente, o incremento da segurança transfusional.

Biografia do Autor

João Batista Silva Junior, Universidade de Brasília Mestrando em Saúde Coletiva Departamento de Saúde Coletiva Faculdade de Ciencias da Saúde/ UnB
Graduado Farmácia Bioquímica pela Universidade Federal de Ouro Preto (2005). Especialista em Vigilância Sanitária e Regulação em Sangue. Atualmente é servidor da Agência Nacional da Vigilância Sanitária - ANVISA, na área de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos. Estudando de Mestrando em Saúde Coletiva/Departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Ciencias da Saúde da Universidade de Brasília (UNB)
Daphne Rattner, Universidade de Brasilia Professora Adjunta Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília.
Graduação em Medicina pela Universidade Estadual de Campinas (1976), mestrado em Epidemiologia pela Universidade de São Paulo (1991) e doutorado em Epidemiologia - University of North Carolina (2001). Trabalhou como Técnica Especializada na Área Técnica de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde de 2004 a 2009. Atualmente é Professora Adjunta na Disciplina de Epidemiologia, no Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade de Ciências da Saúde, na Universidade de Brasília. Tem experiência na área de Medicina e Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde da Mulher e da Criança, atuando principalmente nos seguintes temas: epidemiologia, qualidade, obstetrícia, saúde pública, assistencia obstétrica e assistência perinatal.
Publicado
2014-05-14
Como Citar
Silva Junior, J., & Rattner, D. (2014). Segurança Transfusional: um método de Vigilância Sanitária para avaliação de riscos potenciais em serviços de hemoterapia. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 2(2), 43-52. Recuperado de https://visaemdebate.incqs.fiocruz.br/index.php/visaemdebate/article/view/126
Seção
Artigo