Minicursos e apoio técnico em processos de produtos dispensados de registro

Palavras-chave: Cursos de Capacitação, Legislação, Rotulagem de Alimentos

Resumo

Introdução: A Vigilância Sanitária de Uberlândia (MG) analisa os rótulos dos alimentos dispensados de registro mediante a apresentação do processo de comunicação de início de fabricação de produtos dispensados de registro. São de responsabilidade do próprio município o acompanhamento e a análise deste processo. Objetivo: Verificar a qualidade do apoio técnico por meio de avaliação por parte das empresas e avaliar se ações educativas promovidas para empresas e para a equipe técnica da Vigilância Sanitária sobre os processos de comunicação de início de fabricação de produtos dispensados de registro foram efetivas para incremento das aprovações dos processos. Método: Foram aplicados minicursos aos funcionários da Vigilância Sanitária e às empresas de alimentos sobre o processo de comunicação de início de fabricação de produtos dispensados de registro e rotulagem de alimentos, além de disponibilização de apoio técnico às empresas. A avaliação das ações educativas foi realizada mediante quantificação das conformidades dos processos. A avaliação da qualidade do apoio técnico foi realizada por meio de ficha de avaliação do grau de satisfação. Resultados: Os processos, após a aplicação das ações educativas, obtiveram melhora discreta nos índices de conformidades (informações gerais, lista de ingredientes, conteúdo líquido, validade, denominação de venda e lote). A satisfação do apoio técnico obteve média de avaliação “ótima”. Conclusões: As ações educativas não obtiveram a eficiência esperada em curto prazo, porém a disponibilização contínua dessas ações poderia aumentar a aprovação dos processos.

Biografia do Autor

Katiuce Aparecida de Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, Brasil

Graduada em Tecnologia em alimentos pelo Instituto Federal do Triângulo Mineiro (2012). Atualmente é técnico em alimentos da Prefeitura Municipal de Uberlândia atuando na área de fiscalização da vigilância sanitária.

Fernanda Barbosa Borges Jardim, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, Brasil

Possui graduação em Engenharia de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas (2001), mestrado em Tecnologia de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas (2005) e doutorado em Alimentos e Nutrição pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2012). Atualmente é professor ensino básico técnico e tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Desenvolvimento de novos produtos e Bioquimica de Alimentos.

Eliane Cristina Lombardi, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, Brasil

Possui graduação em Engenharia de Alimentos pelo Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos(2009). Atualmente é Técnica de Fiscalização Sanitária da Prefeitura Municipal de Uberlândia. Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Engenharia de Alimentos.

Referências

Garcia MR, Vieites R, Daiuto E. Avaliação nutricional e conformidade da rotulagem de “petiscos” consumidos por crianças à legislação brasileira. Energia na Agricultura. 2015;30(1):80-6.

https://doi.org/10.17224/EnergAgric.2015v30n1p80-86

Abe-matsumoto LT, Sampaio GR, Bastos DHM. Suplementos vitamínicos e/ou minerais: regulamentação, consumo e implicações à saúde. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n.7, p. 1371-1380, jun. 2015.

https://doi.org/10.1590/0102-311X00177814

Vigilância sanitária de Uberlândia. Instruções gerais para a montagem do processo de comunicação de início de Fabricação – Anexo X, rotulagem e embalagens. 2014[acesso 6 maio 2007]. Disponível em: http://www.uberlandia.mg.gov.br/uploads/cm sbarquivo s/11573.pdf.

Tibúrcio CLC, Vidal Júnior POV. Avaliação das ações de Vigilância sanitária em um município do Recôncavo da Bahia. Vigilância Sanitária em debate.2013;1(3);19-26.

https://doi.org/10.3395/vd.v1i3.26

Freitas ALP. Uma metodologia multicritério de subordinação para classificação da qualidade de serviços sob a ótica do cliente [tese]. Campo dos Goytacazes: Universidade Estadual do Norte Fluminense; 2001.

Brasil. Resolução nº 23, de 15 de março de 2000. Dispõe sobre O Manual de Procedimentos Básicos para Registro e Dispensa da Obrigatoriedade de Registro de Produtos Pertinentes à Área de Alimentos. Diário Oficial da União. 16 mar 2000.

Brasil. Resolução RDC n° 259, de 20 de setembro de 2002. Dispõe sobre a rotulagem geral de alimentos embalados. Diário Oficial da União. 23 set 2002.

Brasil. Resolução RDC n° 54, de 12 de novembro de 2012. Dispõe sobre Regulamento Técnico sobre Informações Nutricionais Complementares. Diário Oficial da União. 13 nov. 2012.

Brasil. Lei n°10.674, de 16 de maio de 2003. Dispõe sobre a obrigatoriedade nos produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença de glúten, como medida preventiva e de controle de doença celíaca. Diário Oficial da União. 19 maio 2003.

Brasil. Resolução RDC n° 360, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a obrigatoriedade da rotulagem nutricional. Diário Oficial da União. 26 dez 2003.

Brasil. Portaria n° 29, de 13 de janeiro de 1998. Dispõe sobre regulamento técnico referente a alimentos para fins especiais. Diário Oficial da União. 30 mar 1998.

Brasil. Portaria n° 32, de 13 de janeiro de 1998. Dispõe sobre o regulamento técnico para suplementos vitamínico e/ou minerais. Diário Oficial da União. 15 de jan 1998.

Brasil. Decreto n° 4.680, de 24 de abril de 2003. Dispõe sobre a regulamentação do direito à informação quanto aos alimentos e ingredientes alimentares destinados ao consumo humano ou animal que contenham ou sejam produzidos a partir de organismos geneticamente modificados, sem prejuízo do cumprimento das demais normas aplicáveis. Diário Oficial da União. 28 abr 2003.

Brasil. Resolução RDC n° 26, de 02 de julho de 2015. Dispõe sobre a rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. Diário Oficial da União. 3jul 2015.

Brasil. Resolução RDC n°273, de 22 de setembro de 2005. Dispõe sobre o regulamento técnico para misturas para o preparo de alimentos e alimentos prontos para o consumo. Diário Oficial da União. 23 set 2005.

Brasil. Instrução Normativa n° 12, de 28 de março de 2008. Dispões sobre o Regulamento técnico do feijão, definindo o seu padrão oficial de classificação, com os requisitos de identidade e qualidade, a amostragem, o modo de apresentação e a marcação ou rotulagem. Diário Oficial da União. 31 mar 2008.

Brasil. Instrução Normativa n°06, de 18 de fevereiro de 2009. Dispõe sobre o Regulamento técnico do arroz, definindo seu padrão oficial de classificação, com requisitos de identidade, qualidade, a amostragem, o modo de apresentação e a marcação ou rotulagem. Diário Oficial da União. 18 fev 2009.

Barros NV dos A, Batista LPR, Landim LA dos SR, Leal MJB, Costa NQ, Hipólito TLB, Porto RGCL. Análise da rotulagem de alimentos diet e light comercializados em Teresina – PI. Ensaios e Ciência. 2012;16(4):51-60.

Miranda LLS, Soares CS, Almeida CAFde, Almeida DKCde, Gregório EL, Amaral DAdo. Análise da rotulagem nutricional de pães de forma com informação nutricional complementar comercializados no município de Belo Horizonte – MG. HU Revista. 2017; 43(3):211-17.

Martinez-Ávila D, Gomes L. Rotulagem alimentar e organização do conhecimento: alegações nutricionais e de saúde em relação ao açúcar. Liinc em revista. 2018; 14(2):362-75.

https://doi.org/10.18617/liinc.v14i2.4313

Borges RG, Conrado ALV, Assis L de, Ribeiro C da SG. Rotulagem de água mineral engarrafada: avaliação de conformidades às legislações nacional e do Mercosul. InterfacEHS. 2016;11(2):61-79.

Santos MCL, Shinohara NKS, Pimentel RMdeM, Padilha MdoRdeF. Rotulagem da goma de tapioca. Journal of Environmental Analysis and progress. 2018; 3(3):330-38.

Mallet ACT, Oliveira RV de A de, Oliveira CF de, Saron MLG, Costa LMAS. Adequação das rotulagens alimentícias frente a legislação vigente. Cadernos UniFOA. 2017;35:101-10.

Gonçalves IS. Análise de rótulo de pães e biscoitos produzidos por pequenas e medias industrias das regiões do recôncavo e sudoeste da Bahia e comercializados em Cruz das Almas- BA [tese]. Salvador: Universidade Federal da Bahia; 2012.

Silva AS, Lorenzo ND, Santos OV dos. Comparação dos parâmetros de rotulagem e composição nutricional de barras proteicas. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. 2016;10(57):350-360.

Carvalho BG, Souza EB de. Análise de rótulos de BCAA comercializados no município de Volta Redonda-RJ. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. 2015;9(49):25-9.

Garcia MR. Conformidade da rotulagem de alimento consumidos por escolares à legislação brasileira [dissertação]. Botucatu: Universidade Estatual Paulista “Julio de Mesquita Filho"; 2012.

Moro GMB, Rodrigues R da S, Costa JAV, Pizato S, Machado WRC. Avaliação da rotulagem e qualidade físico-química de geleias de uva comercializadas na cidade do Rio Grande – RS. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindústrias. 2013;7(1);897-910.

https://doi.org/10.3895/S1981-36862013000100003

Pinto ALD. Análise de rotulagem de alimentos a partir da determinação, em larga escala, de gordura trans [tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2016.

Pedroso TC. Análise dos rótulos de produtos caseiros de panificação [trabalho de conclusão de curso]. Pindamonhangaba: Faculdade de Pindamonhangaba; 2012.

Feitosa BF, Neto JO de O, Oliveira ENA de, Feitosa JVF, Feitosa RM, Junior LAMD. Avaliação da rotulagem de diferentes marcas de biscoitos recheados sabor chocolate comercializados em Pau do Ferros – RN. Revista A Barriguda. 2016;6(2):230-41.

O Globo. Anvisa decide retirar o óleo de soja da lista de alergênicos. 2017. [acesso 15 jan 2019]. Disponível em: https://oglobo.globo.com/economia /defesa-do-consumidor/anvisa-decide-retirar-oleo-de-soja-da-lista-de-alergenicos-21295034.

Piletti R, Freitas AR. Análise da rotulagem de produtos lácteos de diferentes marcas de acordo com a legislação RDC n°26, de 02 de julho de 2015. Revista Ciências Agroveterinárias e Alimentos.2016;1.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Agência - ANVISA. Perguntas e respostas sobre a Informação Nutricional complementar. Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 2013.

Publicado
2020-02-28
Como Citar
de Oliveira, K., Jardim, F., & Lombardi, E. (2020). Minicursos e apoio técnico em processos de produtos dispensados de registro. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 8(1), 97-105. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01267