Serviços ambulatoriais privados de saúde: conhecendo as ações de prevenção de infecções para a segurança do paciente

Palavras-chave: Infecção Hospitalar, Assistência Ambulatorial, Prevenção, Educação em Saúde, Segurança do Paciente

Resumo

Introdução: Os serviços ambulatoriais privados de saúde crescem em número e diversidade e implantam, de forma autônoma, as ações de prevenção de infecções. Objetivo: Conhecer as ações existentes nos serviços ambulatoriais privados de saúde quanto à prevenção das infecções. Método: Trata-se de uma pesquisa exploratória descritiva, realizada em 14 clínicas privadas de saúde em Porto Alegre (RS). Resultados: Evidenciou-se que 36% dos serviços mantinham Comissão de Controle de Infecção, 64% calculavam taxas de infecção e 100% realizavam capacitações. Quanto à higiene de mãos, 100% distribuíam álcool gel e 14% calculavam indicador de adesão. Na injeção segura, 71% tinham orientações escritas, mas apenas 7% monitoravam a prática; somente 14% dos serviços tinham orientação da etiqueta da tosse e 36% dos serviços detectavam portadores de germes multirresistentes. Somente 36% monitoravam competências das rotinas após capacitações. Na análise do conteúdo das falas, emergiram quatro categorias denominadas: Educação, Prevenção, Vigilância e Controle de Infecção, sendo Educação a de maior relevância. Conclusões: Os serviços mantinham ações para prevenção, especialmente as relacionadas aos equipamentos, produtos, rotinas e capacitações, entretanto precisam avançar no monitoramento e na avaliação dos processos assistenciais de prevenção das infecções, a fim de garantir a segurança do paciente e qualidade da assistência.

Biografia do Autor

Carla Maria Oppermann, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto AlegreUniversidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil
 

Foto Graduada em Enfermagem em 1984 e em Licenciatura em Enfermagem (1985) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi nomeada servidora pública em 1989 para o Hospital de Pronto Socorro onde atuou até 2018. Em 1992 foi designada enfermeira do Serviço de Controle de Infecção onde atuou até 2018. Atuou como Coordenadora da Comissão Municipal de Controle de Infecção na Equipe de Serviços em Saúde da Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde (2003-2005). É membro da Associação Gaúcha de Controle de Infecção Hospitalar - AGIH, sendo tesoureira na gestão 2003-2005. Concluiu MBA em Gestão em Saúde e Controle de Infecção Hospitalar em 2012. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Controle de Infecção, atuando principalmente nos seguintes temas: infecção hospitalar, biossegurança, segurança do paciente, vigilância e controle. É Mestre no Programa de Pós graduação em Ensino em Saúde - PPGENSAU na Universidade Federal de ciências em Saúde- UFCSPA, 2016-2018.

Rita Catalina Aquino Caregnato, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) (2008), Mestre em Enfermagem pela UFRGS (2002), Especialista em Saúde Pública pela Universidade de Ribeirão Preto (1993), Especialista em Administração Hospitalar pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1985), Especialista em Metodologia do Ensino Superior pela UNISINOS (1983) e Graduada em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) (1981). Professora Adjunta IV do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Professora permanente dos Programas de Mestrados Profissionais em Ensino na Saúde e Enfermagem. Tutora da Residência Multiprofissional em Saúde (RMS) do Programa de Terapia Intensiva. Coordenadora da Comissão de Residência Multiprofissional e Uniprofissional em Saúde (COREMU) da UFCSPA/ISCMPA. Pesquisadora, Membro do Comitê de Ética e Pesquisa (CEP) da UFCSPA, Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa da Práxis de Enfermagem (GEPPEN) e Vice-Líder do Grupo de Pesquisa em Educação a Distância no Ensino das Áreas da Saúde, ambos da UFCSPA. Membro da diretoria da Associação Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização (SOBECC) 2017-2019. Membro da Association of periOperative Registered Nurses (AORN) 2018-2019. Atuou como enfermeira assistencial na área hospitalar por 22 anos. Tem experiência nas áreas de Clínico-Cirúrgica, Centro Cirúrgico (CC), Centro de Materiais e Esterilização (CME), Controle e Prevenção de Infecção Hospitalar (CIH), Segurança do paciente, Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e Ensino na saúde. Pesquisa desenvolvidas nas áreas de enfermagem em centro cirúrgico, segurança do paciente, controle e prevenção de infecção, adulto crítico e educação.

Marcelo Schenk de Azambuja, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil

Possui Doutorado em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2002), Mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Maria (1998) e especialização em Gestão Empresarial pelo PPG em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Maria (1998), graduação em Hotelaria pela Universidade de Caxias do Sul (1988) e graduação incompleta Administração pela Faculdade Porto Alegrense (1998). Atualmente é Professor Adjunto II ? DE do Departamento de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas da Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde É líder do Grupo de Pesquisa do CNPq ? Empreendedorismo, Inovação e Gestão em Saúde; docente e orientador no Programa de Pós-Graduação em Ensino na Saúde (Mestrado Profissional) e no Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Informação e Gestão em Saúde. Coordenou o Curso de Bacharelado em Gestão em Saúde de 2013 a 2017. Atua principalmente nos seguintes temas: Empreendedorismo, Marketing, Gestão e Qualidade.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Programa nacional de prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde (2016-2020). Brasília (DF): Anvisa; 2016.

Munoz-Price LS, Banach D, Bearman G, Gould JM, Leekha S, Morgan DJ, et al. Isolation precautions for visitors. Infect Control Hosp Epidemiol [Internet]. 2015 [cited 2018 Mar. 20]; 36(7):1-12. Available from:http://unmhospitalist.pbworks.com/w/file/fetch/95982479/S0899823X15000677a.pdf

Ontario Agency For Health Protection and Promotion. Public Health Ontario. Provincial Infectious Diseases Advisory Committee. Infection Prevention and Control for Clinical Office Practice. Toronto: Queen’s Printer; 2015.

Centers for Disease Control and Prevention. National Center for Emerging and Zoonotic Infectious Diseases Division of Healthcare Quality Promotion. Guide to infection prevention for outpatient settings: minimum expectations for safe care, versão 2.3, Sep [Internet]. Atlanta: CDC; 2016 [cited 2018 Mar. 20]. Available from: https://www.cdc.gov/infectioncontrol/pdf/outpatient/guide.pdf

Ministério da Saúde (BR). Tabnet. DataSus [Internet]. Brasília (DF: Ministério da Saúde; 2018 [cited 2018 Mar. 20]. Available from: http://tabnet.datasus.gov.br

Ministério da Saúde (BR). População teve acesso a 1,4 bilhão de consultas médicas pelo SUS em um ano [Internet]. Brasília (DF): Portal Brasil; 2015 [cited 2018 Jan. 20]. Available from: http://www.brasil.gov.br/saude/2015/06/populacao-teve-acesso-a-1-4-bi-de-consultas-medicas-pelo-sus-em-um-ano

Macedo JLS, Henriques CMP. Infecções pós-operatórias por micobactérias de crescimento rápido no Brasil. Rev Bras Cir Plast [Internet]. 2009 [cited 2018 Jan. 10]; 24(4): 544-51. Available from: http://www.rbcp.org.br/details/538/pt-BR

Oyong K, Coelho L, Bancroft E, Terashita D. Health Care-Associated Infection Outbreak Investigations in Outpatient Settings, Los Angeles County, California, USA, 2000-2012. Emerg Infect Dis [Internet]. 2015 [cited 2018 Mar. 20]; 21(8). Available from: wwwnc.cdc.gov/eid/article/21/8/pdfs/14-1251.pdf

See I, Nguyen DB, Chatterjee STS, Scott M, Ibrahim S, et al. Outbreak oft sukamurella spp. Blood stream infections among patients of anoncology clinic-West Virginia, 2011-2012. Infect Control Hosp Epidemiol [Internet]. 2014 [cited 2018 Mar. 20]; 35(3): 300-6. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4830385/pdf/nihms746886.pdf

Cattani A, Aerts DRGC, Cesa K. Secretaria Municipal de Saúde. Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde. Vigilância em saúde de Porto Alegre: a construção de uma história. Porto Alegre: Finaliza; 2011.

Oppermann CM, Caregnato RCA, Azambuja MS. Riscos de infecção em serviços de saúde fora do contexto hospitalar: revisão integrativa. Rev Epidemiol Control Infect [Internet]. 2017 [cited 2018 Mar. 20]; 7(3): 194-202. Available from: http://dx.doi.org/10.17058/reci.v7i3.8987

Centers for Disease Control and Prevention. Guideline for Isolation Precautions: Preventing Transmission of Infectious Agents in Healthcare Settings the Healthcare [Internet]. Atlanta; 2007 [cited 2018 Jan. 10]. Available from: https://www.cdc.gov/infectioncontrol/pdf/guidelines/isolation-guidelines.pdf

Thompson ND, Schaefer MK. Never events: hepatitis B outbreaks and patient notifications resulting from unsafe practices during assisted monitoring of blood glucose, 2009-2010. J Diabetes Sci Technol [Internet]. 2011 [cited 2018 Jan. 10]; 5(6):1396-402. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3262706/pdf/dst-05-1396.pdf

Hogardt M, Proba P, Mischler D, Cuny C, Kempf VA, Heudorf U, et al. Current prevalence of multidrug-resistant organisms in long-term care facilities in the Rhine-Maindistrict, Germany, 2013. Euro Surveill [Internet]. 2015 Jul 2 [cited 2018 Jan. 20]; 20(26):211-71. Available from: http://www.eurosurveillance.org/images/dynamic/EE/V20N26/art21171.pdf

Eilers R, Veldman-Ariesen MJ, Haenen A, Benthem BHV. Prevalence and determinants associated with healthcare-associated infections in long-term care facilities in the Netherlands, May to June 2010. Euro Surveill [Internet]. 2012 [cited 2018 Jan. 20]; 17(34): 202-52. Available from: http://www.eurosurveillance.org/images/dynamic/EE/V17N34/art20252.pdf

Rezende KCAD, Tipple AFV, Siqueira KM, Alves SB, Salgado TA, Pereira MS. Adesão à higienização das mãos e ao uso de equipamentos de proteção pessoal por profissionais de enfermagem na atenção básica em saúde. Cienc Cuid Saude [Internet]. 2012 [cited 2018 Jan. 20]; 11(2): 343-51. Available from: http://ojs.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/15204/pdf

Kossover R, Chi CJ, Wise MAE, Tran AH, Chande ND, Perz JF. Infection prevention and control standards in assisted living facilities: are residents' needs beingmet? JAMBDA [Internet]. 2014 [cited 2018 Mar. 20]; 15(1):47-53. Available from: https://www.jamda.com/article/S1525-8610(13)00547-1/pdf

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Lacerda MR, Costenaro RGS. Metodologias da pesquisa para a enfermagem e saúde. Porto Alegre (RS): Moriá; 2016.

Thompson D, Bowdey L, Meghan B, Cheek J. Using medical student observers of infection prevention, hand hogyenic, and injection safety in outpatient settings: a cross-sectional survey. Am J Infect Control [Internet]. 2016 [cited 2018 Jan. 30]; 44(4): 374-80. Available from: https://www.cms.ccihadm.med.br/aluno/mod/biblioteca_virtual/revistas_2016/AJIC/Abril/374.pdf

World Health Organization. Guidelines on hand hygiene in healthcare. First global patient safety challenge clean care is safer care [Internet]. Geneva: WHO; 2009 [cited 2018 Jan. 20]. Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44102/1/97892 41597906_eng.pdf

Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Protocolo para a prática de higiene das mãos em serviços de saúde [Internet]. Brasília, DF: Anvisa; 2013 [cited 2018 Jan. 20]. Available from: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/higiene-das-maos

Gouvêa C. Indicadores de segurança do paciente. In: Souza P, Mendes W. Segurança do paciente: criando organizações de saúde seguras. Rio de Janeiro: EAD/ENSP; 2014.

Hoffman-Roberts H, Olesky M, Tabak YP, Mohr J, Johannes RS, Gupta V. National prevalence of carbapenem-resistant enterobacteriaceae in the ambulatory and acute care settings in the United States in 2015. Open Forum Infect Diseases [Internet]. 2016 [cited 2018 Mar. 20]; 3(1): 352. Available from: https://academic.oup.com/ofid/article/3/suppl_1/352/2636702

Banach D, Bearman G, Barnden M, Hanrahan J, Leekha S, Morgan D, Wiemken T. Duration of Contact Precautions for Acute-Care Settings. Infect Control Hosp Epidemiol [Internet]. 2018 [cited 2018 Mar. 20]; 39(2): 127-44. Available from: https://www.cambridge.org/core/services/aop-cambridge-core/content/view/94E38FDCE6E1823BD613ABE4E8CB5E56/S0899823X17002458a.pdf/ duration_of_contact_precautions_for_acutecare_settings.pdf

Guerrero DM, Carling PC, Jury LA, Ponnada S, Nerandzic MM, Donskey CJ. Beyond the hawthorne effect: reduction of clostridium difficile environmental contamination through active intervention to improve cleaning practices. Infect Control Hosp Epidemiol. 2013; 34: 524-26.

Associação Paulista de Epidemiologia e Controle de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde. Higiene, desinfecção ambiental e resíduos sólidos em serviços de saúde. 3. ed. São Paulo: APECIH; 2013.

Pacheco KCF, Bonamigo AW, Caregnato RCA, Azambuja MS. Educação permanente: dispositivo estratégico para implementação de novas práticas relacionadas à infecção hospitalar. In: Caregnato RCA, Almeida AN. Ensino na saúde: desafios contemporâneos na integração ensino e serviço. Porto Alegre: Moriá; 2016. p.63-73.

Medeiros AC, Pereira QLC, Siqueira HCH, Cecagno D, Moraes CL. Gestão participativa na educação permanente em saúde: olhar das enfermeiras. Rev Bras Enferm [Internet]. 2010 [cited 2018 Jan. 20]; 63(1):38-42. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n1/v63n1a07.pdf

Roman C, Ellwanger J, Becker GC, Silveira AD, Machado CLB, Manfroi WC. Metodologias ativas de ensino e aprendizagem no processo de ensino em saúde no Brasil: uma revisão narrativa. Clin Biomed Res [Internet]. 2017 [cited 2018 Jan. 20]; 37(4):349-57. Available from: http://seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/73911/pdf

Souza CS, Iglesias AG, Pazin-Filho A. Estratégias inovadoras para métodos de ensino tradicionais: aspectos gerais. Rev Med [Internet]. 2014 [cited 2018 Mar. 10]; 47(3): 284-92. Available from: http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/86617/89547

Martins FSL, Bobsin P. Auditoria e vigilância de processos. In: Prates CG, Stadñik CM. Segurança do Paciente, Gestão de Riscos e Controle de Infecções Hospitalares. Porto Alegre: Moriá; 2017. p. 125-50.

Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 36, de 25 de julho de 2013 [Internet]. Institui ações para a segurança do paciente. Brasília, DF: Anvisa; 2013 [cited 2018 Jan. 20]. Available from: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2871504/RDC_36_2013_COMP.pdf/36d809a4-e5ed-4835-a375-3b3e93d74d5e. Acesso em: 22/01/2018

Berquó L. Histórico da segurança do paciente e do controle das infecções. In: Prates CG, Stadñik CM. Segurança do paciente, gestão de riscos e controle de infecções hospitalares. Porto Alegre: Moriá; 2017. p. 29-50.

Mumford V, Greenfield D, Hogden A, Debono D, Gospodarevskaya E, Forde K, et al. Disentangling quality and safety indicator data: a longitudinal, comparative study of hand hygiene compliance and accreditation outcomes in 96 Australian hospitals. BMJ Open [Internet]. 2014 [cited 2018 Mar. 20]; 4:e005284. Available from: http://bmjopen.bmj.com/content/bmjopen/4/9/e005284.full.pdf

Publicado
2019-08-28
Como Citar
Oppermann, C., Caregnato, R., & Azambuja, M. (2019). Serviços ambulatoriais privados de saúde: conhecendo as ações de prevenção de infecções para a segurança do paciente. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 7(3), 37-45. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01282
Seção
Artigo