Reações adversas ao medicamento L-asparaginase em pacientes oncopediátricos

Palavras-chave: L-Asparaginase, Leuginase, Oncopediátricos, Leucemia Linfoblástica Aguda, Farmacovigilância

Resumo

Introdução: Reação adversa a medicamento (RAM) é definida como “qualquer resposta prejudicial ou indesejável e não intencional que ocorre com medicamentos em doses usualmente empregadas no ser humano. Objetivo: Descrever as reações adversas ao medicamento L-asparaginase, desenvolvidas por pacientes oncopediátricos, acompanhados pelo serviço de Farmácia Clínica, em um hospital filantrópico, de Salvador, Bahia, Brasil. Método: Trata-se de um estudo transversal, retrospectivo, descritivo, no qual foi realizada análise de nove prontuários eletrônicos dos pacientes oncopediátricos, em uso de L-asparaginase no período de junho de 2017 a fevereiro de 2018. Resultados: Entre os pacientes, 66,7% pertenciam ao sexo masculino e 55,6% apresentavam idade ≤ 5 anos. A Leucemia Linfoide Aguda foi o diagnóstico de todos os pacientes. Sessenta e sete vírgula sete por cento (66,7%) do grupo de estudo apresentou algum tipo de reação adversa, sendo prurido a mais frequente (36%) e, em 66,7% das situações, o medicamento foi suspenso. Todas as reações foram notificadas. Conclusões: Os resultados sugerem que é necessária uma atenção especial aos pacientes oncopediátricos, visto que a possibilidade de ocorrer reações adversas a medicamento é mais elevada. Com a atuação do farmacêutico nos centros de alta complexidade em oncologia, é possível desenvolver estratégias e promover ações para prevenir ou minimizar a ocorrência desses eventos adversos, durante a terapia antineoplásica.

Biografia do Autor

Khrisna Fiuza Barbosa, Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, BA

Graduada em Farmácia na Universidade do Estado da Bahia (2016). Foi bolsista no Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET- SAÚDE/VIGILÂNCIA), no subprojeto Caracterização da Rede de Assistência e do Perfil de Utilização de Medicamentos Psicoativos de usuários do Distrito Sanitário Cabula/Beirú, Salvador, Bahia. Foi estagiária do Hospital Aristides Maltez, na área de Farmácia Hospitalar/Oncologia. Atualmente é residente pelo Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Universidade do Estado da Bahia, no núcleo de Oncologia.

Referências

Cazé MO, Rocha BS, Santos MT, Machado FR, Fumegalli G, Locatelli DL et al. Reações adversas a medicamentos em unidade de oncologia pediátrica de hospital universitário. Rev Bras Farm Hosp Serv Saúde São Paulo. 2015;6(3):34-8.

Bertolazzi LG, Lanza MVC, Bitencourt EC, Canille RMS, Pereira LPS, Oliveira KA et al. Incidência e caracterização

de reações adversas imediatas à infusão de quimioterápicos em hospital sentinela. Arq Cienc Saude. 2015;22(3):84-90. https://doi.org/10.17696/2318-3691.22.3.2015.107

González C. Farmacología del paciente pediátrico. Rev Med Clin Condes. 2016;27(5)652-9. https://doi.org/10.1016/j.rmclc.2016.09.010

Sampaio GC. Estudo de utilização de medicamentos antieméticos no serviço de oncologia pediátrica de um

hospital do sul do Brasil [dissertação]). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2014.

Piatkowska-Jakubas B, Krawczyk-Kulis M, Giebel S, Adamczyk-Cioch M, Czyz A, Lech-Maranda E et al. Use of L-asparaginase in acute lymphoblastic leukemia: recommendations of the polish adult leukemia group. Pol Arch Med Wewn. 2008;118(11):664-9. https://doi.org/10.20452/pamw.518

El-naggar NE, El-ewas SM, El-shweihy NM. Microbial L-asparaginase as a potential therapeutic agent for

the treatment of acute lymphoblastic leukemia: the pros and cons. Int J of Pharmacol. 2014;10(4):182-99.

https://doi.org/10.3923/ijp.2014.182.199

Chabner BA, Bertino J, Cleary J, Ortiz T, Lane A, Supko JG et al. Agentes citotóxicos. In: Brunton LL, Chabner BA,

Knollman BC. As bases farmacológicas da terapêutica de Goodman & Gilman. 12a ed. Porto Alegre: AMGH; 2012.

p. 1677-729.

Huynh VT, Bergeron S. Asparaginase toxicities: identification and management in patients with acute lymphoblastic leukemia. Clin J Oncol Nurs. 2017;21(5): 248-59. https://doi.org/10.1188/17.CJON.E248-E259

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Guia para notificação de reações adversas em oncologia. São Paulo: Conectfarma, 2011.

Einsfeldt K. Desenvolvimento de uma nova L-Asparaginase recombinante de Zymomonas mobilis para aplicação como biofármaco [tese]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2014.

Pezzini TJ, Castro FS. Alterações hematológicas na leucemia linfóide aguda (LLA). Rev Estudos Vida Saude. 2014;41(4):767-76. https://doi.org/10.18224/est.v41i4.3678

Bhojwani D, Yang JJ, Pui CH. Biology of childhood acute lymphoblastic leukemia. Pediatr Clin North Am.

;62(1):47-60. https://doi.org/10.1016/j.pcl.2014.09.004

Hamerschlak N. Leukemia: genetics and prognostic factors. J Pediatr (Rio J). 2008;84(4 Suppl.):S52-57.

https://doi.org/10.2223/JPED.1785

Cavalcante MS, Rosa ISS, Torres F. Leucemia linfoide aguda e seus principais conceitos. Rev Cient FAEMA.

;8(2):151-64. https://doi.org/10.31072/rcf.v8i2.578

Laks D, Longhi F, Wagner MB, Garcia PCR. Avaliação da sobrevida de crianças com leucemia linfocítica aguda

tratadas com o protocolo Berlim-Frankfurt-Munique. J Pediatr (Rio J). 2003;79(2):149-58. https://doi.org/10.1590/S0021-75572003000200010

Santos AC, Land MGP, Silva NP, Santos KO, Lima-Dellamora EC. Reactions related to asparaginase infusion

in a 10-year retrospective cohort. Rev Bras Hematol Hemoter. 2017;39(4):337-42. https://doi.org/10.1016/j.bjhh.2017.08.002

Lenz H. Management and preparedness for infusion and hypersensitivity reactions. Oncologist. 2007;12(5):601-9. https://doi.org/10.1634/theoncologist.12-5-601

Burke MJ, Rheingold SR. Differentiating

hypersensitivity versus infusion related reactions

in pediatric patients receiving intravenous

asparaginase therapy for acute lymphoblastic

leucemia. Leuk Lymphoma. 2017;58(3):540-51.

https://doi.org/10.1080/10428194.2016.1213826

Muller HJ, Beier R, Loning L, Blutters-Sawatzki R,

Dorffel W, Maass E et al. Pharmacokinetics of native

Escherichia coli asparaginase (Asparaginase medac) and

hypersensitivity reactions in ALL-BFM 95 reinduction

treatment. Br J Haematol. 2001;114(4):794-99.

https://doi.org/10.1046/j.1365-2141.2001.03009.x

Santos SLF, Alves HHS, Pessoa CV, Saraiva HSTT, Barros KBNT.

Evidências do cuidado farmacêutico na prática clínica da

oncologia. Rev Fac Cienc Med Sorocaba. 2018;20(2):77-81.

https://doi.org/10.23925/1984-4840.2018v20i2a4

Morais R. Justiça federal proíbe compra e uso de Leuginase

da China em toda a rede SUS. G1. 25 set 2017[acessado

maio 2018]. Disponível em: https://g1.globo.com/

distrito-federal/noticia/justica-federal-proibe-compra-deleuginase-

da-china.ghtml

Publicado
2019-05-31
Como Citar
Barbosa, K., Xavier, R., Ribeiro, M., & Bendicho, M. (2019). Reações adversas ao medicamento L-asparaginase em pacientes oncopediátricos. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 7(2), 46-50. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01295
Seção
Artigo