Esta é uma versão desatualizada publicada em 2020-05-07. Leia a versão mais recente.

Perfil e financiamento da pesquisa em saúde desencadeada pela pandemia da COVID-19 no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22239/2317-269x.01579

Palavras-chave:

Sistemas de Financiamento da Pesquisa, Política de Pesquisa em Saúde, COVID-19, Epidemia por 2019-nCoV, Pandemias

Resumo

Introdução: O enfrentamento da pandemia COVID-19 desafia o Brasil sobre as medidas a tomar com a crise sanitária instalada e quais intervenções são mais eficientes e efetivas frente aos problemas decorrentes da nova doença. Esse quadro de incertezas tem levado a ações de financiamento de pesquisa em saúde, que visam o aprimoramento científico e tecnológico, subsidiando a tomada de decisões baseada em evidências. Objetivo: Mapear as oportunidades de financiamento de pesquisa em saúde para o enfrentamento da COVID-19 no Brasil, em termos das áreas priorizadas, fontes financiadoras e volumes financeiros. Método: Fontes públicas foram utilizadas para mapear documentos relativos ao fomento à pesquisa e à inovação em saúde, junto às instâncias públicas e privadas. Realizou-se levantamento diretamente nos sítios eletrônicos das instituições públicas de pesquisa e busca assistemática para identificar financiamentos privados. Os objetos de financiamentos dos editais e chamadas identificados foram categorizados segundo grandes áreas e temáticas específicas. Resultados: Foram identificadas 23 oportunidades de financiamento para o enfrentamento à COVID-19, cobrindo 20 diferentes agentes de financiamento, totalizando R$ 337.460.612,00. Cinco instâncias públicas responderam aproximadamente por 75,0% dos recursos. Conclusões: Apesar do pequeno montante de recursos, houve esforço de fomento à P&D/S em tempo oportuno, principalmente por parte de órgãos públicos federais, com destaque para CAPES e CNPq. As áreas mais contempladas foram os insumos necessários ao enfrentamento da COVID-19 (testes diagnósticos, equipamentos e dispositivos médicos, medicamentos, vacinas e produtos biológicos) e a tecnologias de telecomunicação e informação. Entretanto, os aportes atenderam praticamente todas as áreas importantes para o conhecimento, prevenção e tratamento da doença. Destaca-se que a P&D/S no Brasil tem tido seus recursos significativamente reduzidos desde 2015.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Rondineli Mendes da Silva, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

    Doutor (em 2014) e mestre (2008) em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ). Graduado em Farmácia Industrial pela Universidade Federal Fluminense (1996). Atualmente é Pesquisador em Saúde Pública do Departamento de Política de Medicamentos e Assistência Farmacêutica da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz. Docente do curso de aperfeiçoamento em vigilância sanitária da Fundação Oswaldo Cruz. Especialista em Farmácia Hospitalar (UFF), Vigilância Sanitária (Fiocruz) e em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde (Fiocruz). Tem experiência de coordenação na área de gestão da assistência farmacêutica. Exerce atividades docentes no campo da saúde pública, com ênfase em assistência farmacêutica, economia da saúde e estudos de avaliação de tecnologias de saúde.

  • Rosângela Caetano, Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

    Médica graduada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1983). Residencia médica em Pediatria (1985, Hospital Pedro Ernesto-UERJ) e em Medicina Preventiva e Social (1987, IMS-UERJ) Mestrado em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social- UERJ (1996) e doutorado em Saúde Coletiva pelo IMS-UERJ (2002). Atualmente, é professora adjunta do Departamento de Planejamento e Politicas Públicas do Instituto de Medicina Social da UERJ, onde atua como membro do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação da Instituição. Foi coordenadora da graduação no período 2004-2011. Vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS-UERJ de novembro/2013 a julho/2016. Coordenadora do Mestrado Profisssional de Gestão e Avaliação de Tecnologias em Saúde, realizado pelo IMS-UERJ e DECIT/MS, entre 2008-2010. Representante da UERJ na Comissão Multidisciplinar e Técnica de Atualização da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - COMARE, de 2009-2011. Atua na área de Saúde Coletiva, com ênfase em avaliação de tecnologias em saúde, avaliação de programas e serviços, avaliação econômica em saúde, economia da saúde, planejamento e gestão, e sistemas de informação em saúde. Atuou como pesquisadora e/ou coordenadora em diversos estudos de avaliação de tecnologias de imagem e de custo-efetividade em oncologia para o MS e CNpq.

  • Angélica Baptista Silva, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

    Possui graduação em Comunicação Social - Faculdades Integradas Hélio Alonso (1991) com habilitação em Jornalismo. Especialista em Internet, interface e multimídia pela Universidade Federal Fluminense (2000) e doutorado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (2013). Atualmente é pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz. Tem experiência na área da Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: direitos humanos, gênero, telessaúde, telemedicina e informação e tecnologia da informação e comunicação (TIC) em saúde.

  • Ana Cristina Carneiro Menezes Guedes, Núcleo de Telessaúde, Hospital Federal dos Servidores do Estado, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

    Possui graduação em Psicologia pela Universidade Gama Filho RJ (1992), Mestrado em Ciência Ambiental pela Universidade Federal Fluminense RJ (2001)- Atualmente é coordenadora do Núcleo de Telessaúde do Hospital Federal dos Servidores do Estado e Membro da Divisão de Ensino e Pesquisa do Hospital Federal dos Servidores do Estado, atuando em projetos colaborativos e interdisciplinares em saúde com ênfase em processos formativos em saude. Atua na area de telessaúde com foco nas atividades educacionais, assistenciais e de pesquisa mediadas por tecnologia. Membro do Comitê Assessor da RUTE- Rede Universitaria de Telemedicina- e membro da comissão de Certificação de Hospitais de Ensino do Hospital Federal dos Servidores do Estado.

  • Gizele da Rocha Ribeiro, Biblioteca de Saúde Pública, Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

    Mestre em Administração de Saúde, área de concentração Gestão de Tecnologias em Saúde pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Especialista em Informação Cientifica e Tecnológica em Saúde pelo Instituto de Comunicação e Informação Cientifica e Tecnológica da Fiocruz e Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Gama Filho. Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Atua na Biblioteca de Saude Publica do ICICT/Fiocruz no serviço de busca especializada em Ciencias da Saúde. Tem experiência nas áreas de Educação, Gestão e em Ciência da Informação. Atua em grupos de pesquisa, ministra aulas e palestra sobre busca da informação cientifica nas principais bases de dados internacionais em Ciências da Saúde.

  • Daniela Lacerda Santos, Faculdade de Medicina de Petrópolis/Faculdade Arthur Sá Earp Neto, Petrópolis, RJ, Brasil

    Professora da Faculdade de Medicina de Petrópolis - Fundação Octacílio Gualberto (FMP/FOG). Doutora em Saúde Coletiva (2018), na área de Política, Planejamento, Administração em Saúde, pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ). Mestre em Saúde da Família (2013) pela Universidade Estácio de Sá. Especialização em Enfermagem do Trabalho (2009) pela Universidade Gama Filho, Especialização em Fisioterapia Cardiovascular e Respiratória (2001) pela Universidade Estácio de Sá. Graduada em Fisioterapia (2000) pela Universidade Gama Filho. Graduada em Enfermagem (2006) pelo Centro Universitário Augusto Motta.

  • Carla Cardi Nepomuceno de Paiva, Instituto de Medicina Social. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

    Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2013). Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2015). Doutorado em Saúde Coletiva no Instituto de Medicina Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro em andamento. Pós-graduada em Enfermagem Cuidado Pré-natal pela Universidade Federal de São Paulo (2015). Pós-graduada em Gênero e Sexualidade pelo Centro Latino-Americano em Sexualidade em Direitos Humanos (CLAM/IMS/UERJ). Membro do Grupo de Pesquisa LEGS - Laboratório de Estudos em Gênero, Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos, vinculado a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

Downloads

Publicado

2020-05-07

Versões

Edição

Seção

COVID-19/SARS-CoV-2 Artigo

Como Citar

Perfil e financiamento da pesquisa em saúde desencadeada pela pandemia da COVID-19 no Brasil. (2020). Vigilância Sanitária Em Debate , 8(2), 28-38. https://visaemdebate.incqs.fiocruz.br/index.php/visaemdebate/article/view/1579

Artigos Semelhantes

1-10 de 665

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)