Registro, incorporação tecnológica e produção pública de medicamento: estudo sobre o atazanavir

  • Carla Cristina de Freitas da Silveira Instituto de Medicina Social, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (IMS/UERJ), Rio de Janeiro, RJ
  • Marilena Cordeiro Dias Villela Corrêa Instituto de Medicina Social, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (IMS/UERJ), Rio de Janeiro, RJ
  • Wanise Borges Gouvea Barroso Instituto de Tecnologia em Fármacos, Fundação Oswaldo Cruz (Farmanguinhos/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ
  • Tatiana Aragão Figueiredo Instituto de Tecnologia em Fármacos, Fundação Oswaldo Cruz (Farmanguinhos/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ
Palavras-chave: Registro, Incorporação, PDP, Atazanavir, Saúde Pública

Resumo

O Brasil foi um dos primeiros países do Sul Global a incluir em suas políticas de saúde pública robustas medidas de controle contra a epidemia de HIV/Aids. Assim, em 2015, cerca de 450 mil pacientes encontravam-se em tratamento no Sistema Único de Saúde. O registro sanitário é uma etapa crucial para entrada do medicamento no mercado nacional, configurando elemento muito favorável ao acesso. Vários setores da sociedade, ainda que baseados em interesses diversos, atuam em prol da incorporação de novas tecnologias que acabam por pesar favoravelmente no controle da epidemia. Nesse trabalho, por meio de um estudo documental descritivo, foi discutido o ciclo do antirretroviral atazanavir, entendido como um ciclo que envolve a seleção do medicamento pelo consenso terapêutico, o registro sanitário e a definição das estratégias de incorporação tecnológica para a produção nacional do medicamento. O registro do atazanavir no Brasil foi concedido em 2003, três meses após ter sido obtido no FDA e cinco meses e meio antes de ser concedido na Europa. Esses fatores resultaram em sua rápida inclusão nas recomendações no consenso terapêutico brasileiro, que o adotou como medicamento preferencial (1ª escolha), em 2004. Ademais, o atazanavir se tornou objeto de uma parceria público privada para o desenvolvimento do produto, dentro da política hegemônica de incorporação de novas tecnologias em saúde definida pelo Ministério da Saúde, a chamada Política para o Desenvolvimento Produtivo (PDP).

Biografia do Autor

Carla Cristina de Freitas da Silveira, Instituto de Medicina Social, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (IMS/UERJ), Rio de Janeiro, RJ

NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DE FARMANGUINHOS (NIT-FAR)

PROPRIEDADE INDUSTRIAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

Marilena Cordeiro Dias Villela Corrêa, Instituto de Medicina Social, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (IMS/UERJ), Rio de Janeiro, RJ
Instituto de Medicina Social - Departamento de Ciências Humanas e Saúde
Wanise Borges Gouvea Barroso, Instituto de Tecnologia em Fármacos, Fundação Oswaldo Cruz (Farmanguinhos/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ

NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DE FARMANGUINHOS (NIT-FAR)

PROPRIEDADE INDUSTRIAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

Tatiana Aragão Figueiredo, Instituto de Tecnologia em Fármacos, Fundação Oswaldo Cruz (Farmanguinhos/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ

NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DE FARMANGUINHOS (NIT-FAR)

PROPRIEDADE INDUSTRIAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

Publicado
2016-08-30
Como Citar
Silveira, C., Corrêa, M., Barroso, W., & Figueiredo, T. (2016). Registro, incorporação tecnológica e produção pública de medicamento: estudo sobre o atazanavir. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 4(3), 18-27. https://doi.org/10.22239/2317-269x.00740
Seção
Artigo