Perfil dos profissionais de Vigilância Sanitária da área de alimentos em uma capital brasileira

Palavras-chave: Recursos Humanos em Saúde, Inspeção de Alimentos, Controle e Fiscalização de Alimentos e Bebidas, Órgãos dos Sistemas de Saúde

Resumo

Introdução: Por haver uma série de riscos relacionados à produção e manipulação dos alimentos, estes se constituem em objeto de preocupação permanente para a Saúde Pública, sendo importante pesquisar informações a respeito dos profissionais de vigilância sanitária que exercem suas atividades nesta área. Objetivo: Caracterizar o perfil e os aspectos do processo de trabalho dos profissionais da Vigilância Sanitária que atuam na área de alimentos de Curitiba, Paraná, Brasil. Método: A amostra foi composta por 43 profissionais, que responderam a um formulário, com questões fechadas sobre perfil sociodemográfico, educacional e processo de trabalho. Resultados: A maioria dos profissionais eram mulheres, com idade entre 31 e 50 anos, tempo de serviço na Vigilância Sanitária maior que 5 anos, com curso superior e conhecimentos básicos de línguas estrangeiras e de informática. As diferentes categorias profissionais que compunham as equipes apresentaram disparidade salarial e uma distribuição territorial desigual. Além disso, capacitação frequente, uso de roteiros durante as inspeções e facilidade para desenvolver rotinas e relatórios diários. No entanto, não planejavam as ações de vigilância sanitária no nível local e desconheciam as metas de saúde do município. Consideraram que estão expostos a algum risco no exercício do seu trabalho e alegaram não possuir adequadas condições de trabalho. Por outro lado, julgaram seu trabalho importante e que estão satisfeitos com ele. Conclusões: Os profissionais são qualificados, estão familiarizados com o serviço realizado e satisfeitos. Contudo, existem dificuldades a serem superadas, no sentido de fortalecer o seu trabalho, para que sejam reconhecidos efetivamente como agentes transformadores da saúde pública.

Biografia do Autor

Patrícia Vitório Olmedo, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR

Possui Graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Paraná (2003), Pós Graduação em Saúde Pública pelo Centro Universitário Internacional UNINTER (2004), Pós Graduação em Saúde da Família, com Residência Multiprofissional em Saúde da Família, pela Universidade Federal do Paraná (2007) e Mestrado em Alimentação e Nutrição pela Universidade Federal do Paraná (2016). Docente nas áreas de Alimentação e Nutrição e Saúde Coletiva para o ensino público e privado. Atuou como gestora de unidades produtoras de refeições e como consultora durante 5 anos. Há 10 anos atua como nutricionista na Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, na área de Vigilância Sanitária.

Lize Stangarlin Fiori, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR

Possui graduação em Nutrição, Mestrado e Doutorado em Ciência e Tecnologia dos Alimentos. Atualmente é docente do Departamento de Nutrição e professora permanente da Pós Graduação em Alimentação e Nutrição (PPGAN) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Tem experiência na área de Nutrição, atuando principalmente nos seguintes temas: alimentação coletiva e segurança dos alimentos. Autora de 5 livros na área de qualidade dos alimentos.

Caroline Opolski Medeiros, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR

Nutricionista graduada pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (2007). Mestre em Nutrição pela Universidade Federal de Santa Catarina (2010). Doutora em Alimentos e Nutrição pela Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas (2014). No mestrado, dedicou 2 anos de pesquisa na área de segurança alimentar em serviços de alimentação. Durante o doutorado estudou teorias comportamentais, e desenvolveu instrumento de pesquisa com padrões de confiabilidade e validade adequados para avaliar intenção comportamental de consumidores. Atualmente é professora do Departamento de Nutrição da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, onde ministra disciplinas relacionadas à área de alimentação coletiva, e realiza pesquisas com enfoque para a elaboração e validação de instrumento de pesquisas, comportamento do consumidor e alimentação coletiva. É colaboradora do CECANE PR e Conselheira secretária do Conselheiro Regional de Nutricionistas da 8 região (gestão 2018-2021).

 

Sila Mary Rodrigues Ferreira, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR

Orientadora de mestrado. Foi bolsista produtividade PQDT - Fundação Araucária. Possui Graduação em Nutrição pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Mestrado e doutorado em Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal do Paraná. É professora Titular do Departamento de Nutrição da Universidade Federal do Paraná. É Avaliadora do INEP desde 2006. Foi Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Alimentação e Nutrição (Segurança Alimentar e Nutricional) da UFPR de 2011 a 2015. É professora permanente do Programa de Pós-graduação em Alimentação e Nutrição. É membro da comissão de bolsa do Programa de Pós-graduação em Alimentação e Nutrição. Foi Presidente da Comissão de Estruturação do Programa de Pós-graduação em Segurança Alimentar e Nutricional do Departamento de Nutrição da UFPR. É membro do Corpo Editorial e revisora de periódicos nacionais e internacionais. Coordenou os Projetos financiados: Construindo a segurança alimentar e nutricional no Paraná, Convenio nº 762/2013, da Fundação Araucária de Apoio ao desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná; O desafio da segurança alimentar e nutricional na comunidade escolar. Casadinho/Procad - MCTI/CNPq/MEC/Capes (processo nº. 552448/2011-7) no período de 2011-2016; Aquisição de calorímetro indireto para unidade de avaliação de metabolismo humano - Edital do Pró-equipamento Capes/UFPR (processo nº 23075047540201310) e outros. Coordena o Projeto Qualidade nutricional e fitoquímica de frutos da sociobiodiversidade sob autorização nº. 010004/2015-7 no Acesso de Remessa de Componente do Patrimônio Genético. É membro de outros projetos financiados. Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Avaliação da qualidade nutricional de produtos e frutos da sociobiodiversidade, alimentos, refeições de escolares e dietais enterais; Desenvolvimento de produtos alimentícios para fins especiais e/ou funcionais, atuando principalmente no desenvolvimento de produtos para portadores de Doença Celíaca. É líder do Grupo de pesquisa: Qualidade dos Alimentos e Nutrição no CNPQ.

Referências

Brasil. Lei Orgânica da Saúde. Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 set.1990.

Marins, BR, Araújo, IS de. Materiais educativos de vigilâncias sanitárias: perfil de produção e circulação no tema dos alimentos. Trabalho Educação e Saúde 2016; 14(1):137-54. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00090.

Harris KJ, DiPietro RB, Murphy KS, Rivera G. Critical food safety violations in Florida: Relationship to location chain vs non-chain restaurants. International Journal of Hospitality Management 2014; 38: 57-64. https://doi.org/10.1016/j.ijhm.2013.12.005

Laikko-Roto T, Makela S, Lunden J, Heikkila J, Nevas M. Consistency in inspection processes of food control officials and efficacy of official controls in restaurants in Finland. Food Control 2015; 57: 341-50. https://doi.org/10.1016/j.foodcont.2015.03.053

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução de Diretoria Colegiada nº 216 de 15 de setembro de 2004a. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 set. 2004.

Curitiba. Secretaria Municipal da Saúde. Vigilância. Centro de Vigilância do Risco Sanitário. Informações Gerais. VISA Curitiba. Curitiba, 2015. Disponível em: <http://www.saude.curitiba.pr.gov.br/index.php/vigilancia/sanitaria/informacoes-gerais/visa-curitiba>. Acesso em 7 mar. 2018.

Souza GS, Costa EA. Considerações teóricas e conceituais acerca do trabalho em vigilância sanitária, campo específico do trabalho em saúde. Ciência & Saúde Coletiva 2010; 15 (suppl.3): 3329-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000900008

Melo MA de S, Bezerra JCB, Coleta MFD, Puente-Palacios KE, Coleta JAD, Bezerra ALQ. Comprometimento Organizacional de Trabalhadores da Vigilância Sanitária em Municípios do Estado de Goiás. Trab. Educ. Saúde 2014; 12 (3): 655-77,. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00018.

Lucena RCBorges de. A descentralização na vigilância sanitária: trajetória e descompasso. Revista de Administração Pública 2015; 49 (5): 1107-20. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612137128

Alves MG, ueno M. Restaurantes self service: segurança e qualidade sanitária dos alimentos servidos. Revista de Nutrição 2010; 23 (4): 573-80. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732010000400008

Choudhury M, Mahanta LB, Goswami JS, Mazumder MD. Will capacity building training interventions given to street food vendors give us safer food?: A cross-sectional study from India. Food Control 2011; 22: 1233-39. https://doi.org/10.1016/j.foodcont.2011.01.023

Curitiba. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC). Indicadores. Retrato das Regionais. Curitiba, 2013. Disponível em: . Acesso em 3 mar. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Censo Nacional dos Trabalhadores da Visa 2004b. Brasília: Ministério da Saúde; 2005. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/hotsite/censo_2004/historico/publicacao.pdf>. Acesso em 2 mar. 2018.

Medeiros CAF, Enders WT. Comprometimento organizacional e características pessoais: como são os comprometidos e os descomprometidos com a organização. Revista Eletrônica de Administração 2002; 5 (2): 1-23. Disponível em: < http://seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/42737 >. Acesso em 7 mar. 2018.

Brasil. Congresso Nacional. Lei nº. 5.172, de 25 de outubro de 1966. Denominado Código Tributário Nacional. Vigência. Promulgado em 25 de outubro de 1966; 145º da Independência e 78º da República. Brasília. República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 27 out. 1966, retificado em 31.10.1966.

Dieese. Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Salário Mínimo. Disponível em: . Acesso em 7 mar. 2018.

Fernandes RZS, Vilela MF de G. Estratégias de integração das práticas assistenciais de saúde e de vigilância sanitária no contexto de implementação da Rede Cegonha. Ciência & Saúde Coletiva 2014; 19 (11): 4457-66. http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320141911.21662013.

Nevas M, Kalenius S, Lundén J. Significance of official food control in food safety: Food business operators’ perceptions. Food Control 2013; 31 (1): 59-64. https://doi.org/10.1016/j.foodcont.2012.09.041

Brasil. Decreto nº 64.704 de 17 de junho de 1969. Aprova o Regulamento do exercício da profissão de médico veterinário e dos Conselhos de Medicina Veterinária. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 jun. 1969.

Conselho Federal De Nutricionistas. Resolução CFN nº 380/2005, de 28 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e suas atribuições, estabelece parâmetros numéricos de referência, por área de atuação, e dá outras providências. Diário Oficial da União Brasília, DF, 28 Dez. 2005.

Costa EA. Vigilância sanitária: desvendando o enigma. 1. Ed. Salvador: EdUFBA, 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Relatório de atividades 2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa; 2009. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/281258/308532/Relatorio_5_anos_DEFINITIVO.pdf/857a85f9-ab6e-4358-b67c-1f0b81bee7d1>. Acesso em 7 mar. 2018.

Publicado
2019-02-28
Como Citar
Olmedo, P., Fiori, L., Medeiros, C., & Ferreira, S. (2019). Perfil dos profissionais de Vigilância Sanitária da área de alimentos em uma capital brasileira. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 7(1), 23-32. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01144
Seção
Artigo