Perfil dos erros de prescrições de medicamentos manipulados em uma farmácia-escola

Palavras-chave: Prescrição de Medicamentos, Farmácia com Manipulação, Farmacoepidemiologia

Resumo

Introdução: O medicamento manipulado é uma preparação magistral individualizada a um paciente a partir de uma prescrição. Objetivo: Avaliar as prescrições atendidas em uma farmácia com manipulação de uma universidade pública federal no Rio de Janeiro e avaliar o cumprimento destas prescrições, em relação aos critérios técnico-sanitários vigentes. Método: Estudo transversal descritivo no período do mês de maio de 2015, que avaliou 400 prescrições atendidas no período. Resultados: Cerca de 162 (40,00%) prescrições apresentaram erros, das quais 132 prescrições mostraram, exclusivamente, erros de escrituração, 20 exclusivamente erros farmacotécnicos e 10 ambos os erros. Dentre os erros de escrituração, os mais frequentes foram ausência de data de emissão (29,00%) e posologia (13,00%). Entre os erros farmacotécnicos, 66,33% foram de incompatibilidade entre o ativo e formulação, 13,33% foram incompatibilidades entre diferentes ativos de uma mesma formulação e 23,33% foram incompatibilidades do ativo com a base semissólida prescrita. Portanto, foi possível identificar que as prescrições analisadas não atenderam adequadamente ao estabelecido na legislação brasileira, pois verificou-se erros tanto dos aspectos da escrituração quanto farmacotécnico. Conclusões: Por se tratarem de medicamentos magistrais, os quais devem ser desenvolvidos mediante uma prescrição, torna-se fundamental a avaliação criteriosa para minimizar ou evitar danos aos usuários.

Biografia do Autor

Felipe Cárdia Alves, Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ

Farmacêutico formado pela Universidade Federal Do Rio de Janeiro, Graduado em farmácia. Apresento interesses profissionais na área da saúde.

Márcia Maria Barros dos Passos, Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Pará (1986), graduação em Habilitação Em Indústria Farmacêutica pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1988), Especialização em Farmácia Hospitalar pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990), mestrado em Farmácia Hospitalar pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1993) e doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2002). Atualmente é professor associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Farmácia Hospitalar, com ênfase em Farmacovigilância, atuando principalmente nos seguintes temas da Farmácia Social: Assistência Farmacêutica, Legislação sanitária, Farmácia Hospitalar, Farmacoepidemiologia, Farmacovigilância e informação de medicamentos.

Adriana Silveira Pereira de Melo, Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal Fluminense (1986). Atualmente é farmacêutica da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em sistemas de gestão pela Universidade Federal Fluminense.(2009) Especialista em Farmácia Homeopática.

Mariana Sato de Souza Bustamante Monteiro, Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Professora Adjunta da Faculdade de Farmácia da UFRJ, com graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004), habilitação Farmacêutico Industrial pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007) e Pós Graduação Latu-Sensu em Tecnologia Industrial Farmacêutica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007). Mestre em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, obtido em novembro de 2008, bolsista CAPES. Título da Dissertação: Avaliação Biofarmacotécnica in vitro e in vivo de Sistemas de Liberação contendo Filtros Solares. Doutorado em Ciências e Tecnologia de Polímeros no Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano (IMA)/ UFRJ, em parceria com o Instituto Superior Técnico, Lisboa/Portugal, bolsista CNPQ. Título da Tese: Desenvolvimento e Caracterização de sistemas híbridos de Policaprolactona contendo Nevirapina. Atualmente, atua nas disciplinas de Farmacotécnica II, Estágio Supervisionado em Manipulação Alopática, Monitoria, Participação em Eventos Científicos e Atividade de Extensão V. Atuou como substituta eventual da função de Coordenador de Graduação do curso de Farmácia Integra de 2015 à 2017.

Referências

- Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC nº 67 de 08 de outubro de 2007. Regulamento Técnico sobre Boas Práticas de Manipulação de Preparações Magistrais e Oficinais para uso Humano em Farmácia e seus Anexos. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de outubro de 2007.

- Brasil. Lei no 13.021, de 8 de agosto de 2014. Dispõe sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de Agosto de 2014.

- Rowa ANZ, Al-Ramahib, Shahedc Q, Salehc B, Elarajb J. Determinants and frequency of pharmaceutical compounding in pharmacy practice in Palestine. Int. J. Pharm. Practice. 2011; 20(1): 9–14. https://doi.org/10.1111/j.2042-7174.2011.00157.x

- Treadway AK, Craddock D, Leff R. Practices of pharmacies that compound extemporaneous formulations. Am. J. Health Syst. Pharm. 2007; 64(13): 1403–9. https://doi.org/10.2146/ajhp060251

- Ribeiro AMRF. Análise da prescrição de Manipulados Farmacêuticos na Região do Porto. 2014, Porto, 119p. Dissertação (Mestrado em ciências Farmacêuticas), Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade Fernando Pessoa. http://hdl.handle.net/10284/4408

- Miguel MD, Zanin SMW, Miguel OG, Roze AO, Oyakawa CN, Oliveira ABO. Cotidiano das farmácias de manipulação. Visão Acad. 2002; 3(2): 103-8.

- Bonfilio R, EmerickGL, Júnior NA, Salgado HRN. Farmácia magistral: sua importância e seu perfil de qualidade. Rev. Baiana Saúde Públ. 2010; 34(3): 653-664. https://repositorio.unesp.br/handle/11449/133815

- Fois RA. Compounded medicines and “off label” prescribing. Aust. Farm. Physician. 2009; 30(2): 16-20.

- Alanazi MA, Tully MP, Lewis PJ. A systematic review of the prevalence and incidence of prescribing errors with high-risk medicines in hospitals. J. Clin. Pharm. Ther. 2016; 41(3): 239-45. doi: 10.1111/jcpt.12389. Epub 2016 May 11.

- Ashcroft DM, Lewis PJ, Tully MP, Farragher TM, Taylor D, Wass V, Williams ST, Dornan T. Prevalence, nature, severity and risk Factors for prescribing errors in hospital inpatients: prospective study in 20 UK hospitals. Drug Saf. 2015; 38(9): 833–843. DOI: https://doi.org/10.1007/s40264-015-0320-x

- Mastroiani PC. Análise dos aspectos legais das prescrições de medicamentos. Rev. Cienc. Farm. Básica Apl. 2009; 30(2): 173-6.

- Valadão AF, Firmino KF, Moreira ALP, Gastro GD, Loures GF, Públio RN, Sena MPT, Brum CA. Estudo das prescrições de medicamentos nas Unidades Básicas de Saúde de Coronel Fabriciano – MG, quanto aos preceitos legais. Rev. Bras. Farm. 2008; 89(4): 298-301

- Guzatto P, Bueno D. Análise de prescrições medicamentosas dispensadas na farmácia de uma unidade básica de saúde de Porto Alegre – RS. Rev. HCPA. 2007; 27(3): 20-26.

- Aguiar G, Silva Junior LA, Ferreira MAM. Ilegibilidade e Ausência de Informação nas prescrições médicas: Fatores de risco relacionados a erros de medicação. Rev. Bras. Prom. Saúde. 2006; 19(2): 84-91. Doi: http://dx.doi.org/10.5020/966

- Valadão AF, Moreira ALP, Andrade LC, Pires CA, Firmino KF, Brum CA. Prescrição médica: um foco nos erros de prescrição. Rev. Bras. Farm., 2009; 90(4): 340-3.

- Anacleto TA, Perini E, Rosa MB, César CC. Drug-dispensing errors in the hospital pharmacy. Clinics. 2007; 62(3): 243-50. http://dx.doi.org/10.1590/S1807-59322007000300007

- Dean B, Schachter M, Vincent C, Barber N. Causes of prescribing errors in hospital inpatients: a prospective study. Lancet. 2002; 359(9315): 1373-8. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(02)08350-2

- Dalal K. Preventing medication errors in critical care. Nurs. Crit. Care. 2015; 10(5): 27-32. DOI: https://doi.org/10.1503/cmaj.080869

- Reed-Kane D, Vasquez K, Pavlik A, Peragine J, Sandberg M. E-prescription errors and their resolution in a community compounding pharmacy. Int J Pharm Compd. 2014; 18(2):159-61. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24881120

- Frick GGG, Bonotto LF, Bernardi CLB, Pletsch UM. Principais problemas encontrados nas prescrições em um município da região noroeste do estado do Rio Grande do Sul. Rev. Contexto Saúde. 2010; 10(19): 108-111. https://doi.org/10.21527/2176-7114.2010.19.108-111.

- Rosa MB, Perini E, Anacleto TA, Neiva HM, Bogutchi T. Erros na prescrição hospitalar de medicamentos potencialmente perigosos. Rev. Saúde Públ. 2009; 43(3): 490-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000028.

- Shipra J,Prerna U. Jaswant G, Abhijit K, Pushpawati J, Vikas S, Vijay VM. A systematic review of prescription pattern monitoring studies and their effectiveness in promoting rational use of medicines. Persp. Clin. Research. 2015; 6(2): 86-90. doi: 10.4103/2229-3485.154005

- Noto AR, Carlini EA, Mastroiani PC, Alves VC, Galduroz JCF, Kuroiwa W. Analysis of prescription and dispensation of psychotropic medications in two cities in the State of São Paulo, Brazil. Rev. Bras. Psiq. 2002; 24(2): 68-73. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462002000200006

- Formulário nacional da farmacopeia brasileira 2.ed. Brasília: Anvisa, 2012, 224p.

- Lanchman L, Lieberman HÁ, Kanig JL. Teoria e prática na indústria farmacêutica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001, v.2, 500p.

- Ansel HC, Popovich NG, Allen JL. Farmacotécnica. Formas farmacêuticas e sistemas de liberação de fármacos. 6 ed. São Paulo: Editorial Premier, 2013, 716p.

- Cavalcanti LC. Incompatibilidades farmacotécnicas na farmácia magistral: motivo, recomendação e uso terapêutico. 2 ed. São Paulo: Pharmabooks, 2008, 376p.

- Kato FP, Souza MS, Gomes AJPS. Verificação do prazo de validade de cremes contendo hidroquinona preparados magistralmente: evidências do processo de oxidação. Rev. Cienc. Farm. Básica Apl. 2010; 31(2): 199-203.

- Mendonça CC, Silva ICL, Rodrigues KA, Campos MAL, Medeiros MCM, Silva ICL, Rodrigues KA, Campos MAL, Medeiros MCM, Casteli VC, Ferrari M, Musis CR, Machado SRP. Emulsões O/A contendo Cetoconazol 2,0%: avaliação da estabilidade acelerada e estudos de liberação in vitro. Rev. Cienc. Farm. Básica Apl. 2009; 30(1): 35-46.

- Pombal R, Barata P, Oliveira R. Estabilidade dos medicamentos manipulados. Rev. Fac. Cienc. Saúde. 2010; 7: 330-341.

Publicado
2019-02-28
Como Citar
Alves, F., Passos, M., Melo, A., & Monteiro, M. (2019). Perfil dos erros de prescrições de medicamentos manipulados em uma farmácia-escola. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 7(1), 5-13. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01194
Seção
Artigo