Lesão por pressão: análise de prontuários e notificações do evento adverso

Palavras-chave: Lesão por Pressão, Segurança do Paciente, Notificação, Gestão da Qualidade

Resumo

Introdução: O movimento em prol da segurança do paciente parece cada vez mais globalizado. Assim, estratégias para alavancar a segurança do paciente são necessárias para que esse bem se consolide na dinâmica assistencial das organizações de saúde. Objetivo: Avaliar em paralelo os registros de prontuários sobre lesão por pressão com as notificações do evento adverso em um hospital universitário público. Método: Estudo descritivo, de fonte documental. Foi desenvolvido com prontuários de pacientes e notificações de lesão por pressão na Unidade de Terapia Intensiva para adultos e unidade de neurologia e ortopedia de um hospital do Paraná. Foram extraídas variáveis de caracterização clínica e demográfica da amostra; fatores de risco intrínsecos e extrínsecos para lesão por pressão, além da incidência comparada em registro documental em prontuários e notificações. Procedeu-se à análise estatística descritiva. Resultados: Foram analisados 658 prontuários, predominantemente de homens (62,0%), internados no setor não crítico (69,7%). Constatou-se 91 (13,8%) registros de incidência de lesão por pressão nos prontuários. Diversos fatores de risco intrínsecos e extrínsecos foram levantados. Houve três notificações do evento adverso no mesmo período, revelando que 96,7% das lesões identificadas nos registros de prontuários não foram devidamente notificadas. Conclusões: Há evidente discrepância entre a incidência de lesão por pressão observada em prontuários com as notificações do evento adverso.

Biografia do Autor

Simone Viana da Silva, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa, PR

Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem em Saúde do Idoso.

Pamela Regina dos Santos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Cascavel, PR

Graduação em andamento em Enfermagem na Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE).

Letícia Katiane Martins, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Cascavel, PR

Enfermeira pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste. Tenho interesse nas áreas de Microbiologia, Patologia e Educação em saúde.

Mateus Souza da Luz, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Cascavel, PR

Graduado em enfermagem (Bacharelado e Licenciatura) pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) (2017), onde foi bolsista de Iniciação Científica (PIBIC) e de Iniciação à Docência (PIBID), participou de Iniciação Científica Voluntária (ICV) e foi monitor na disciplina de Enfermagem Perioperatória. Atualmente cursando o Programa de Residência em Enfermagem, com Especialidade em Gerenciamento de Enfermagem em Clínica Médica e Cirúrgica, no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), sob a forma de especialização lato sensu. Membro da Comissão de revisão de óbitos e prontuários do Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP). Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em gerenciamento de enfermagem, atuando principalmente nos seguintes temas: Gerência dos Serviços de Saúde, Gerência dos serviços de Enfermagem e Educação em Saúde. Tem interesse principalmente nas áreas de Gerência dos Serviços de Enfermagem, Docência e Educação em Saúde.

Verusca Soares de Souza, Universidade Estadual do Paraná (Unespar), Paranavaí, PR

Enfermeira (2010), Especialista em Enfermagem do Trabalho (2011), Mestre em Enfermagem (2015) e Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) (2015 à 2019). Docente da Universidade Estadual do Paraná, campus Paranavaí, nas disciplinas Anatomia Humana e Estágio Supervisionado na Administração da Assistência de Enfermagem. Coordenadora do Núcleo de Educação para as Relações Étnico-Raciais (NERA) da Unespar - campus Paranavaí e vice-coordenadora da Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente (REBRAENSP) - núcleo Maringá. Tem experiência na área Hospitalar. Na pesquisa, atua principalmente com as temáticas gestão do cuidado à saúde e segurança do paciente. Membro dos grupos de pesquisa: Núcleo de Estudos e Pesquisas Multidisciplinares em Políticas, Avaliação e Atenção em Saúde (NEPEMAAS UNESPAR/CNPq) e; Núcleo de Pesquisa, Prática e Ensino em Gestão em Saúde (NUPPEGES UEM/CNPq).

Maristela Salete Maraschin, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Cascavel, PR

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná/UNIOESTE (1984) e mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina/UFSC (2000). Atualmente é professor titular no Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), Curso de Enfermagem na Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Gerenciamento à Enfermagem, saúde coletiva, vigilância e epidemiologia. Atuo com os seguintes temas: Enfermagem, Saúde da mulher, Saúde do idoso, saúde da criança, Enfermeiro, Unidade Básica de Saúde (UBS), Atenção Primária em Saúde (APS) e Gerenciamento dos Serviços de Saúde na Atenção Primária de Saúde. Membro do grupo de pesquisa Administração dos Serviços de Saúde e de Enfermagem, na linha de pesquisa Gerenciamento dos Serviços de Saúde e de Enfermagem e do grupo de pesquisa Sobre o Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem. Membro dos programas de Residências em Gerenciamento de Enfermagem em Clínica Médica e Cirúrgica e do Programa de Residência em Vigilância em Saúde e Controle de Infecções, promovida pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná/UNIOESTE.

João Lucas Campos de Oliveira, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, MT

Graduado em Enfermagem (2012), com Bacharelado e Licenciatura, pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). Mestre (2014) e Doutor (2017) pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PSE) da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Cumpriu estágio pós-doutoral junto ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Foi Docente colaborador (2015-2018) dos cursos de Graduação em Enfermagem e Residência em Gerenciamento de Enfermagem em Clínica Médica e Cirúrgica da UNIOESTE. Atualmente é Professor adjunto da Faculdade de Enfermagem (FAEN) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Pesquisador no Grupo de Pesquisa em Administração de Serviços de Saúde e de Enfermagem (UNIOESTE); do Núcleo de Pesquisa, Prática e Ensino em Gestão em Saúde (NUPPEGES-UEM); do Núcleo de Estudo e Pesquisa na Gestão de Serviços de Enfermagem (NEPGESE-UEL); e do Grupo de Pesquisa TRIPALIUM: Estrutura, Organização e Gestão do Trabalho em Súde e Enfermagem (FAEN-UFMT). Atua principalmente nas seguintes áreas: Gestão em Saúde e Enfermagem; Gestão e Avaliação da Qualidade em Saúde e Enfermagem; e Trabalho gerencial do enfermeiro no contexto hospitalar.

Nelsi Salete Tonini, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Cascavel, PR

Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1984), mestrado em Enfermagem Fundamental pela Universidade de São Paulo (1999) e doutorado em Enfermagem Psiquiátrica pela Universidade de São Paulo (2005). Atualmente é professor Associado da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Psiquiátrica, atuando principalmente nos seguintes temas: sofrimento psiquico, saúde mental, família, enfermeiro e ESF, organização de serviços e Planejamento estratégico em serviços de saúde. Segurança do Paciente e Gestão da Qualidade.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Segurança do Paciente. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Agência Nacional de Vigilância Sanitária [internet] – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 40 p., 2014. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/documento_referencia_programa_nacional_seguranca.pdf>.

Costa DB, Ramos D, Gabriel CS, Bernardes A. Cultura de Segurança do paciente: avaliação pelos profissionais de enfermagem. Texto Contexto Enferm, 2018 [acesso 23 jul 2018], 27(3):e2670016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v27n3/0104-0707-tce-27-03-e2670016.pdf>.

Souza VS, Kawamoto AM, Oliveira JLC, Tonini NS, Fernandes LM, Nicola AL. Erros e eventos adversos: a interface com a cultura de segurança dos profissionais de saúde. Cogitare Enferm. 2015 [acesso 23 ago 2017], 20(3): 475-482. Disponível em: <https://ojs.c3sl.ufpr.br/cogitare/article/view/40687/26258>

Siman AG, Cunha SGS, Brito MJM. A prática de notificação de eventos adversos em um hospital de ensino. Rev Esc Enferm USP, 2017 [acesso 8 jun 2018], 51:e03243. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v51/pt_1980-220X-reeusp-51-e03243.pdf>.

Mendes M, Pavão ALB, Martins M, Moura MLO, Travassos C. The feature of preventable adverse events in hospitals in the State of Rio de Janeiro, Brazil. Rev Assoc Med Bras, 2013 [acesso em 17 mai 2018], 59(5):421-428. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ramb/v59n5/en_v59n5a06.pdf>.

National Pressure Ulcer Advisory Panel, European Pressure Ulcer Advisory Panel, Pan Pacific Pressure Injury Alliance. Prevention and treatment of pressure ulcers: quick reference guide. Perth: Cambridge Media; 2014.

Moraes JT, Borges EL, Lisboa CR, Cordeiro DCO, Rosa EG, Rocha NA. Conceito e classificação de lesão por pressão: atualização do National Pressure Ulcer Advisory Panel. Enferm. Cent. O. Min., 2016 [acesso 12 set 2017], 6(2):2292-2306. Disponível em: <http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/1423>.

Constantin AG, Moreira APP, Oliveira, JLC, Hofstatter LM, Fernandes LM. Incidence of pressure injury in an adult intensive care unit. Estima, Braz. J. Enterostomal Ther, 2018 [acesso 7 jul 2018]. Disponível em: <https://www.revistaestima.com.br/index.php/estima/article/view/454/pdf>.

Anvisa, Ministério da Saúde. Protocolo para prevenção de úlcera por pressão. 2013 [acesso 02 fev 2017]. Disponível em: <https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/ulcera-por-pressao>.

Anvisa, Implantação do Núcleo de Segurança do Paciente em Serviços de Saúde – Série Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. gência Nacional de Vigilância Sanitária – Brasília: Anvisa, 2016. [acesso 23 mai 2017]. Disponível em: <https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/caderno-6-implantacao-do-nucleo-de-seguranca-do-paciente>.

Ghali H, Rejeb B, Chelly S, Cheikh B, Khefacha S, Latiri HS. Incidence and risk factors of pressure ulcers in a Tunisian University Hospital. Revue d'Épidémiologie et de Santé Publique, 2018 [acesso 11 ago 2018], 66(5):340. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0398762018309775>

Smit I, Harrison L, Letzkus, Quatrara, Beth DNP. What Factors Are Associated With the Development of Pressure Ulcers in a Medical Intensive Care Unit? Dimensions of Critical Care Nursing, 2016 [acesso 22 jan 2017], 35(1):37–41. Disponível em: <https://journals.lww.com/dccnjournal/Abstract/2016/01000/What_Factors_Are_Associated_With_the_Development.9.aspx>.

Epimed. Duração das internações nas UTIs e nos hospitais. UTIs brasileiras: Registro Nacional de Terapia Intensiva, 2018 [acesso 19 ago 2018]. Disponível em: <http://www.utisbrasileiras.com.br/perfis-das-utis/principais-desfechos/#!/duracao-das-internacoes-nas-utis-e-nos-hospitais>.

Bly D, Schallom M, Sona C, Klinkenberg D. A Model of Pressure, Oxygenation, and Perfusion Risk Factors for Pressure Ulcers in the Intensive Care Unit. AJCC American Journal Of Critical Care, 25(2), 2018 [acesso 22 ago 2018]. Disponível em: <http://ajcc.aacnjournals.org/content/25/2/156.full.pdf+html>.

Alderden J, Rondinelli J, Pepper G, Commins M, Whitney J. Risk factors for pressure injuries among critical care patients: A systematic review. 2017 [acesso 12 abr 2018], 71:97-114. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0020748917300858>.

Souza NR, Freire DA, Souza MAO, Melo JTS, Santos LV, Buchatsky M. Fatores predisponentes para o desenvolvimento da lesão por pressão em pacientes idosos: uma revisão integrativa. ESTIMA 2017 [acesso 3 mai 2018], 15(4):229-239. Disponível em: <https://www.revistaestima.com.br/index.php/estima/article/view/442/pdf>.

Fernandes LM, Silva L, Oliveira JLC, Souza VS, Nicola AL. Associação entre predição para lesão por pressão e marcadores bioquímicos, Rev Rene. 2016 [acesso em 24 out 2017], 17(4):490-7. Disponível em: <http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/4939/3640>.

Publicado
2019-02-28
Como Citar
da Silva, S., dos Santos, P., Martins, L., Luz, M., Souza, V., Maraschin, M., Oliveira, J., & Tonini, N. (2019). Lesão por pressão: análise de prontuários e notificações do evento adverso. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 7(1), 42-47. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01210
Seção
Artigo

Artigos mais lidos do mesmo autor