Estudo da eficácia de saneantes comerciais de uso doméstico na redução da carga microbiana em alface (Lactuca sativa) crespa in natura

Palavras-chave: Saneantes, Alface, Coliformes, Salmonella

Resumo

Introdução: Hortaliças folhosas cruas são possíveis fontes de contaminação microbiológica e precisam ser higienizadas antes do consumo. Os diferentes saneantes variam quanto à sua capacidade de redução de microrganismos, e o cloro, em suas diferentes formas, é amplamente utilizado em alimentos para este fim. Objetivo: Avaliar a eficácia de três diferentes tipos de saneantes comerciais de uso doméstico na redução de carga microbiana em alface crespa in natura de cultivo convencional. Método: Foram estudados cinco lotes de três diferentes saneantes comerciais à base de cloro utilizados para sanitização de alface; avaliada a sua concentração de cloro livre e pesquisados coliformes termotolerantes e Salmonella spp. nas amostras de alface após a sanitização. Resultados: Apenas um dos saneantes avaliados obteve concentração de cloro livre entre 100 e 200 ppm. Todas as amostras de alface apresentaram ausência de Salmonella sp./25 g e 60% delas não tiveram redução de coliformes a 45ºC a níveis aceitáveis para que o produto estivesse próprio para o consumo. Conclusões: Os produtos testados não foram eficazes para reduzir a carga microbiana da alface a níveis seguros, o que pode estar colocando em risco a saúde do consumidor. Contudo, mais estudos são necessários para elucidar questões relativas ao processo de higienização de alimentos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Surtos de Doenças Transmitidas por Alimentos no Brasil. Brasília, DF; 2018 [acesso 23 dez 2018]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/17/Apresentacao-Surtos-DTA-2018.pdf

Maham LK, Escott-Stump, Krause S. Alimentos, nutrição e dietoterapia. 13ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier; 2010.

Berger CN, Sodha SV, Shaw RK, Griffin PM, Pink D, Hand P, Frankel G. Fresh fruit and vegetables as vehicles for the transmission of human pathogens. Environ Microbiol. 2010; 12(9):2385–97.

Abreu IMO, Junqueira AMR, Peixoto JR, Oliveira SA. Qualidade microbiológica e produtividade de alface sob adubação química e orgânica. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2010; 30(Supl. 1):108-118.

Santana LRR, Carvalho RDS, Leite CC, Alcântara LM, Oliveira TWS, Rodrigues BM. Qualidade física, microbiológica e parasitológica de alfaces (Lactuca sativa) de diferentes sistemas de cultivo. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2006;26(2): 264-269.

Andrade JR, Ribeiro JA, Guimarães RR, Perez PMP, Freitas SML, Miyahira RF. Análise microbiológica de hortaliças in natura servidas em uma unidade de alimentação e nutrição de grande porte na cidade do Rio de Janeiro. Braz. J. Surg. Clin. Res. 2016;16(1):30-34.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução RDC N° 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial da União. 16 set 2004.

Silva Júnior EA. Manual de Controle Higiênico Sanitário em Serviços de Alimentação. 7a ed. São Paulo: Varela; 2014. p. 282-284.

Nunes EE, Vilas Boas EVB, Xisto ALRP, Leme SC, Botelho MC. Avaliação de diferentes sanificantes na qualidade microbiológica de mandioquinha-salsa minimamente processada. Ciênc. agrotec. 2010;34(4):990-994.

Nascimento MS, Silva N, Catanozi MPLM, Silva KC. Avaliação comparativa de diferentes desinfetantes na sanitização de uva. Braz. J. Food Technol. 2003;6(1):63-68.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução RDC N° 110, de 6 de setembro de 2016. Dispõe sobre regulamento técnico para produtos saneantes categorizados como água sanitária e dá outras providências. Diário Oficial da União. 8 set 2016.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução RDC N° 12, de 2 de janeiro de 2001. Aprova o regulamento técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. Diário Oficial da União. 10 jan 2001.

American Public Health Association. APHA Committee on Microbiological Methods for Foods. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. 4 ed. Washington, 2001. 676p.

Centro de Vigilância Sanitária. Portaria CVS Nº 5, de 9 de abril de 2013. Aprova o regulamento técnico sobre boas práticas para estabelecimentos comerciais de alimentos e para serviços de alimentação, e o roteiro de inspeção, anexo. Diário Oficial do Estado. 19 abr 2013.

Santos HS, Muratori MCS, Marques ALA, Alves VC, Cardoso Filho FC, Costa APR et al. Avaliação da eficácia da água sanitária na sanitização de alfaces (Lactuca sativa). Rev Inst Adolfo Lutz. 2012;71(1):56-60.

Rodrigues DG, Silva NBM, Rezende C, Jacobucci HB, Fontana EA. Avaliação de dois métodos de higienização alimentar. Revista Saúde e Pesquisa. 2011;4(3):341-350.

Ferreira JA, Nenê ARM, Massulo AO, Salamoni RM, Cardoso Filho N. Estudo preliminar da eficácia de sanitização de amostras de alface comercializadas em Campo Grande-MS. Anuário da Produção Acadêmica Docente. 2011;5(14):227-236.

Costa EA, Figueiredo EAT, Chaves CS, Almeida PC, Vasconcelos NM, Magalhães IMC et al. Avaliação microbiológica de alfaces (Lacuta sativa L.) convencionais e orgânicas e a eficiência de dois processos de higienização. Alim. Nutr. 2012;23(3):387-392.

Publicado
2019-05-31
Como Citar
Souza, I., Baptista, N., Assis, R., Miyahira, R., & Guimarães, R. (2019). Estudo da eficácia de saneantes comerciais de uso doméstico na redução da carga microbiana em alface (Lactuca sativa) crespa in natura. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 7(2), 82-86. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01258
Seção
Artigo