Correspondência de teor de dissulfeto de captopril com odor de enxofre em comprimidos de captopril 25 mg, provenientes de farmácias públicas (postos de saúde) e drogarias comerciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22239/2317-269x.01979

Palavras-chave:

Dissulfeto de Captopril, Produto de Degradação, Odor de Enxofre, Anti-hipertensivo

Resumo

Introdução: O captopril (CP) é o medicamento de escolha para o tratamento da hipertensão arterial. Sua degradação leva à formação do dímero dissulfeto de captopril (DSCP), este associado a um odor forte no medicamento, podendo causar abandono do tratamento pelo paciente. Objetivo: Determinar DCSP, associar a percepção olfativa de odor de enxofre desprendido do produto e realizar a avaliação de bula de comprimidos de captopril 25 mg distribuídos pelos setores público e privado. Método: Foi verificado o desempenho do método de determinação do CP e DSCP pela Farmacopeia Brasileira 6a ed. por HPLC (DAD). Foram analisados 13 produtos de comprimidos de captopril 25 mg, sendo dois provenientes do setor público de lotes diferentes e mesmo fabricante e 11 do setor privado de diferentes fabricantes e lotes. Foram avaliados aspectos do comprimido quanto à percepção de odor, determinação de peso, identificação e teor de CP e de DSCP e análise do conteúdo da bula. Resultados: Dentre os 13, o medicamento vencido apresentou 4,4% de DSCP, os demais estavam de acordo com a especificação. Verificouse  correspondência do odor de enxofre perceptível com teor de DSCP acima de 0,5%. Considerando os textos de bula sobre odor de enxofre, as constatações foram: nenhuma informação (três produtos), odor característico (dois), leve odor de enxofre (um), leve odor de enxofre sem diminuir a eficácia (sete). Conclusões: As amostras apresentaram resultados satisfatórios para os ensaios realizados. Verificou-se falta de homogeneidade nas informações das bulas sobre o odor dos comprimidos. A percepção do paciente quanto ao odor de enxofre, mesmo dentro do limite tolerado de DSCP, pode levar a não aceitação do medicamento e consequente não adesão ao tratamento da hipertensão, além de gerar prejuízos ao SUS.

Biografia do Autor

Fernanda Fernandes Farias, Centro de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP, Brasil

Valéria Adriana Pereira Martins, Centro de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP, Brasil

Edilene Afonso Vieira, Centro de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP, Brasil

Luiz Fernando Ortiz Gasparin, Centro de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP, Brasil

Helena Miyoco Yano, Centro de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP, Brasil

Luz Marina Trujillo, Centro de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP, Brasil

Publicado

2022-08-31

Como Citar

Farias, F. F., Martins, V. A. P., Vieira, E. A., Gasparin, L. F. O., Yano, H. M., & Trujillo, L. M. (2022). Correspondência de teor de dissulfeto de captopril com odor de enxofre em comprimidos de captopril 25 mg, provenientes de farmácias públicas (postos de saúde) e drogarias comerciais. Vigil Sanit Debate, Rio De Janeiro, 10(3), 67–78. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01979

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)