Estudo da atividade hipoglicemiante do chá do lenho da Quássia-do-Brasil, Picrasma crenata (Vell.) Engl. em camundongos e ratos

  • Ana Luisa Quadros dos Santos Mauro Departamento de Fiscalização de Medicamentos e Insumos Farmacêuticos, Superintendência de Vigilância Sanitária/Secretaria de Estado de Saúde/RJ, Rio de Janeiro, RJ
Palavras-chave: Atividade hipoglicemiante, diabetes mellitus, Quássia-do-Brasil, sobrecarga de glicose, perfusão intestinal

Resumo

A atividade hipoglicemiante do chá do lenho da Quássia-do-Brasil, Picrasma crenata (Vell.) Engl.- Simaroubaceae, nas concentrações de 5, 10 e 20%, foi estudada pela determinação da glicemia em animais normoglicêmicos, nos quais a concentração a 10% apresentou uma resposta mais efetiva. Em animais tornados diabéticos pela administração intravenosa de estreptozotocina (65mg/kg) e em animais hiperglicêmicos pela administração intravenosa de uma sobrecarga de glicose a 25%, esta mesma concentração do chá também promoveu uma diminuição nos níveis glicêmicos. Tanto nos animais normo como nos hiperglicêmicos, o propranolol (10mg/kg, intraperitoneal), um β-bloqueador adrenérgico nãoseletivo, não influenciou na atividade hipoglicemiante do chá. O chá de Quássia-do-Brasil foi capaz de inibir a absorção intestinal de glicose, e também a sua reabsorção ao nível do glomérulo renal. O mecanismo hipoglicemiante do chá parece não estar envolvido com o aumento da secreção de insulina.

Biografia do Autor

Ana Luisa Quadros dos Santos Mauro, Departamento de Fiscalização de Medicamentos e Insumos Farmacêuticos, Superintendência de Vigilância Sanitária/Secretaria de Estado de Saúde/RJ, Rio de Janeiro, RJ

Departamento de Fiscalização de Medicamentos 

Setor de Indústria de Medicamentos e Insumos Farmacêuticos

Publicado
2015-02-24
Como Citar
Mauro, A. (2015). Estudo da atividade hipoglicemiante do chá do lenho da Quássia-do-Brasil, Picrasma crenata (Vell.) Engl. em camundongos e ratos. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 3(1), 116-122. https://doi.org/10.3395/2317-269x.00234
Seção
Artigo