Teletrabalho na Agência Nacional de Vigilância Sanitária e a inovação na anuência de importação de produtos para saúde

  • Sara Fabiana Bittencourt Aguiar Gerência Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados (GGPAF), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Brasília, DF, Brasil https://orcid.org/0000-0002-1560-9981
  • Mônica Cristina Antunes Figueirêdo Duarte Gerência Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados (GGPAF), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Brasília, DF, Brasil https://orcid.org/0000-0003-2982-3601
  • Sylviann Marcelle Goncalves de Souza Gerência Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados (GGPAF), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Brasília, DF, Brasil https://orcid.org/0000-0002-0970-7884
Palavras-chave: Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Importação, Teletrabalho, Produtividade, Produtos para Saúde

Resumo

Introdução: A inserção do teletrabalho para os anuentes de processos de importação de produtos para saúde trouxe inovação a todos os envolvidos na importação. A melhoria na qualidade de vida dos anuentes somada ao acompanhamento centralizado dos processos foram pontos almejados pela gestão. Método: Utilizou-se o corte temporal de 1o de março a 31 de agosto de 2018 trimestre no qual as harmonizações e procedimentos operacionais já estavam vigentes no Posto Virtual. Assim, procedemos a análise comparativa baseada em parâmetros inerentes ao fluxo de importação de produtos para saúde, como: prazo de análise do processo de importação e qualificação das motivações de não anuência nos processos de importação (irregularidade de produtos ou erro de instrução processual) para mostrar os principais resultados alcançados no teletrabalho. Objetivo: Mostrar os principais resultados alcançados no teletrabalho, no período de 1o de março a 31 de agosto de 2018, por meio da avaliação de indicadores de prazo de análise e de qualidade da instrução dos processos de importação. Resultados: A centralização dos anuentes no teletrabalho buscava como resultados a harmonização dos procedimentos de anuência bem como garantir aos envolvidos a previsibilidade da análise dos processos de importação, além do incremento de produtividade benéfica à eficiência da Anvisa. Como resultado, a previsibilidade foi a mais representativa. A centralização dos processos em um posto virtual, gerenciado por um líder, trouxe resultados significativos quanto à harmonização e a possibilidade de extração de dados. Conclusões: Os resultados extremamente positivos do levantamento trouxeram outras questões e foi verificado que a melhoria constante no processo é necessária. Há de se propiciar a formalização da importação como um controle efetivo de pré-mercado, utilizando-se destes dados para direcionar políticas setoriais.

Biografia do Autor

Sara Fabiana Bittencourt Aguiar, Gerência Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados (GGPAF), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Brasília, DF, Brasil

Possui graduação em Farmácia e Bioquímica - habilitação Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001) e mestrado em Ciência dos Alimentos pela Universidade Federal de Santa Catarina (2005). Especialização em Vigilância Sanitária (2008) e em Gestão em Saúde (2013). Atualmente é Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, está lotada na Gerência Geral de portos, aeroportos, fronteiras e recintos alfandegados, atuando na área de anuência de importação e inspeção de produtos sujeitos à vigilância sanitária.

Mônica Cristina Antunes Figueirêdo Duarte, Gerência Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados (GGPAF), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Brasília, DF, Brasil

Possui Mestrado em Política Pública (UnB), Especialização em Saúde Internacional (USP), Especialização em Vigilância Sanitária (FIOCRUZ), Especialização em Gestão da Vigilância Sanitária (SÍRIO LIBANÊS), graduação em Bacharelado e Licenciatura em Ciências Biológicas (UnB). Atualmente está cursando MBA em comércio exterior (FGV). É Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, com ênfase na área de regulação de produtos para saúde, políticas de saúde e comércio exterior.

Sylviann Marcelle Goncalves de Souza, Gerência Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados (GGPAF), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Brasília, DF, Brasil

Possui graduação em Farmácia e Bioquímica - habilitação Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Santa Catarina (2004) e Especialização em Vigilância Sanitária pela Fundação Oswaldo Cruz (2007). É Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, lotada na Coordenação de Vigilância Sanitária em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados da Gerência-Geral de portos, aeroportos, fronteiras e recintos alfandegados, atuando na área de inspeção de produtos sujeitos à vigilância sanitária e Autorização de Funcionamento de Empresas.

Referências

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Portaria n°1.665, de 02 de outubro de 2017. Boletim de Serviço nº 46. 02 out 2017.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. RDC Nº 81, de 5 de novembro de 2008. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de bens e produtos importados para fins de Vigilância Sanitária. Diário Oficial da União. 06 nov 2008.

Brasil. Lei nº 9.782, de 26 de janeiro de 1999. Define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 26 jan1999.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. RDC Nº 208, de 5 de janeiro de 2018. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de bens e produtos importados para fins de Vigilância Sanitária. Diário Oficial da União. 08 jan 2018.

Organização Internacional do Trabalho - OIT. Convention 177 - home work convention. 1996. [acesso 14 set 2018]. Disponível em: http://www.ilo.org/dyn/normlex/en/f?p=NORMLEXPUB:12100:0::NO::P12100_INSTRUMENT_ID:312322.

Van Horn, Carl e Storen, Duke. Telework: coming of an age? Evaluating the potencial benefits of telework. In: Telework and the new workplace of the 21 st century. Washington: Department of Labor. 2000. [acesso 19 set 2018]. Disponível em: www.dol.gov/asp/telework/toc.htm.

Goulart, Joselma Oliveira. Teletrabalho – alternativa de trabalho flexível. SENAC, 2009.

Silva, Aimée Mastella Sampaio da. A aplicação do teletrabalho no serviço público brasileiro. In: 3º congresso internacional de direito e contemporaneidade. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2015.

Conselho Nacional de Justiça - CNJ. Resolução nº 227/2016. Brasília: Tribunal Superior do Trabalho - TST, 2016. [acesso 16 jul 2018]. Disponível em: http:// http://www.cnj.jus.br/busca-atos-adm?documento=3134.

Costa, Isabel de Sá Affonso da. Poder/saber e subjetividade na construção do sentido do teletrabalho [tese]. Rio de Janeiro: Escola Brasileira de Administração Pública de Empresas (EBAPE)/ Fundação Getúlio Vargas (FGV); 2004.

Tremblay, Diane-Gabrielle. Organização e satisfação no contexto do teletrabalho. Revista de Administração de Empresas. 2002;3:54-65.

Lima, Mauro Saraiva Barros. O Teletrabalho no poder Judiciário Brasileiro: ganhos para os tribunais e sociedade? As Experiências de Santa Catarina e Amazonas. Tese de mestrado (Administração). Escola Brasileira de Administração Pública de Empresas (EBAPE)/ Fundação Getúlio Vargas (FGV). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2018.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Orientação de Serviço n° 34, de 14 de agosto de 2017. Boletim de Serviço nº 37. 14 ago 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Instrução Normativa SVS nº 1, de 16 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União. 19 dez 1996.

Publicado
2019-08-30
Como Citar
Aguiar, S., Duarte, M., & Souza, S. (2019). Teletrabalho na Agência Nacional de Vigilância Sanitária e a inovação na anuência de importação de produtos para saúde. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 7(3), 66-72. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01232
Seção
Relato de Experiência