Correlações entre lotes-piloto e qualidade de genéricos

Autores

  • Daniela Barros Rocha Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Autor
  • Elizabeth Valverde Macedo Universidade Federal Fluminense (UFF) Autor

DOI:

https://doi.org/10.3395/2317-269x.00497

Palavras-chave:

Projetos Piloto, Estudos de Validação, Medicamentos Genéricos

Resumo

Ao registrar medicamento genérico no Brasil, a empresa deve fabricar três lotes e, com estes, realizar estudos para comprovação da segurança, eficácia e qualidade. Quando estes são lotes-piloto (LP), é constante a preocupação quanto a sua equivalência com lotes industriais. No Brasil, os LP para fabricação de sólidos orais devem produzir a quantidade mínima de 50.000 unidades, embora, internacionalmente, sejam 100.000. O objetivo deste artigo é apresentar um panorama nacional do registro e pós-registro de medicamentos genéricos sólidos orais, utilizando LP, no período de 2010-2013, identificando oportunidades de aprimoramento da legislação brasileira sobre LP. De 90 processos analisados, 36% foram registrados com lotes menores que 100.000 unidades farmacotécnicas. Em relação ao tamanho dos LP, observa-se a oportunidade de melhoria da IN no 02/2009 por meio do estabelecimento da quantidade mínima de 100.000 unidades produzidas, no caso de fabricação de sólidos orais, visando ampliar as garantias que os medicamentos registrados utilizando LP representem os lotes comercializados.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Elizabeth Valverde Macedo, Universidade Federal Fluminense (UFF)
    Departamento de Tecnologia Farmacêutica

Downloads

Publicado

2015-11-27

Edição

Seção

Artigo

Como Citar

Correlações entre lotes-piloto e qualidade de genéricos. (2015). Vigilância Sanitária Em Debate , 3(4), 62-67. https://doi.org/10.3395/2317-269x.00497

Artigos Semelhantes

1-10 de 652

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)