Lacunas e falhas relacionadas à importação de produtos para a saúde em contêiner

Autores/as

  • Mariene Castilho D'Ávila Coordenação de Portos e Aeroportos, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, (CVPAF.RJ/Anvisa/MS), Rio de Janeiro, RJ Autor/a
  • Patrícia Fernandes S. Nobre Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (INCQS/Fiocruz) Rio de Janeiro, RJ Autor/a
  • Kátia Christina Leandro Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (INCQS/Fiocruz) Rio de Janeiro, RJ Autor/a

DOI:

https://doi.org/10.22239/2317-269X.00791

Palabras clave:

Vigilância Sanitária, Importação, Contêineres, Temperatura

Resumen

Metade das mercadorias relacionadas à saúde, importadas via Porto do Rio de Janeiro, é armazenada em contêineres, 70% deles não possui sistema de refrigeração, por isto, não é possível assegurar a manutenção das recomendações do fabricante conforme exigem as regulamentações sanitárias estabelecidas. Estes contêineres geralmente são fabricados em aço, suas especificações são voltadas para possibilitar segurança e eficiência no transporte de mercadorias diversas e estão inseridos em um complexo contexto multimodal. O presente estudo objetivou obter conhecimento sobre este segmento de importação, na produção científica, legislação internacional, orientações técnicas e práticas operacionais atuais. As análises realizadas entre 2014 e 2015 revelaram que os contêineres são sensíveis ao ambiente em que estão depositados, 30% das medições apresentaram discrepâncias em relação às recomendações de temperatura para a armazenagem. Foram registradas temperaturas acima de 60°C. A exposição das mercadorias a estas condições foi estimada em no mínimo 38 dias. Não foram localizados estudos científicos sobre o acondicionamento de mercadorias para a saúde em contêineres. As produções técnica e legal são incipientes. Esses resultados reforçam a preocupação com a eficácia das mercadorias importadas e a necessidade de se promover o debate sobre a armazenagem em contêineres onde se estabeleçam requisitos mínimos de qualidade obrigatórios.

Descargas

Los datos de descarga aún no están disponibles.

Biografía del autor/a

  • Mariene Castilho D'Ávila, Coordenação de Portos e Aeroportos, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, (CVPAF.RJ/Anvisa/MS), Rio de Janeiro, RJ
    Servidora Especialista em Regulação desde 2005, lotada atualmente na Coordenação do Rio de Janeiro e atua em inspeções para concessão de autorização de funcionamento de empresas que armazenam produtos sujeitos a VISA .

Publicado

2016-08-30

Número

Sección

Artículo

Cómo citar

Lacunas e falhas relacionadas à importação de produtos para a saúde em contêiner. (2016). Vigilancia En Salud En Debate: Sociedad, Ciencia Y Tecnología, 4(3), 63-70. https://doi.org/10.22239/2317-269X.00791

Artículos similares

1-10 de 423

También puede Iniciar una búsqueda de similitud avanzada para este artículo.

Artículos más leídos del mismo autor/a