Planos de contingência para a vigilância em saúde na pandemia da COVID-19: análise de conformidades em uma rede de hospitais públicos de ensino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22239/2317-269x.01780

Palavras-chave:

Planos de Contingência; Infecções por Coronavírus; Vigilância em Saúde Pública; Gestão em Saúde; Unidades Hospitalares

Resumo

Introdução: Em dezembro de 2019, a China foi assolada pela coronavirus disease (COVID-19), doença causada pelo novo coronavírus, o SARV-CoV-2. Devido ao alto poder  de contágio, a Organização Mundial de Saúde declarou Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional em 30 de janeiro de 2020. Em março do mesmo ano, mais de 100 países haviam registrado casos da nova doença, assim, devido à disseminação geográfica rápida, a Organização Mundial de Saúde declarou pandemia da COVID-19. Objetivo: Avaliar a adesão de hospitais públicos de ensino a um Modelo de Plano de Contingência para Infecção Humana pelo Novo Coronavírus publicado pela gestão central de uma empresa pública. Método: Estudo descritivo-analítico, utilizando o modelo elaborado e publicado como documento orientador para adequações do plano de contingência de cada um dos hospitais do estudo. Resultados: Após duas avaliações dos planos, 36 (94,7%) hospitais apresentaram conformidade superior a 70,0%, sendo que quatro (10,5%) deles apresentaram 100,0% de conformidade com o modelo. A média de adesão dos hospitais ao modelo cresceu de 82,3% na 1ª avaliação, para 91,3% na segunda avaliação, um aumento percentual igual a 11,0%. Todos os hospitais do estudo mantiveram ou aumentaram seus percentuais de adesão. Conclusões: A pesquisa demonstrou a potencialidade do modelo em orientar as instituições na elaboração e aprimoramento dos seus planos. Considerando os resultados positivos dessa experiência  e a escassez histórica de leitos hospitalares, especialmente aqueles com suporte ventilatório, recomenda-se que as autoridades sanitárias  brasileiras possam investir  tempo e recursos na elaboração de   documentos orientadores que auxiliem gestores na reorganização e resposta dos hospitais em situações de crise.

Biografia do Autor

Márcia Amaral Dal Sasso, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), Brasília, DF, Brasil

Mestre em Gestão da Qualidade em Serviços de Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Especialista em Enfermagem Hospitalar – Terapia Intensiva pela Universidade Federal de Minas Gerais, Especialista em Gestão da Saúde Publica pela Universidade Federal Fluminense, Bacharel e Licenciada em Enfermagem pela Universidade Federal de Juiz de Fora.

Isaac Newton Machado Bezerra, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Vitória de Santo Antão, PE, Brasil

Bacharel em Saúde Coletiva pela UNiversidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN, Residente do Programa de Residencia Multiprofissional de Interiorização da Saúde- CAV/UFPE.

Tâmela Beatriz Matinada da Silva, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), Brasília, DF, Brasil

Bacharel em Enfermagem pela Universidade de Brasília, Enfermeira especialista em Centro Cirúrgico pela Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.

Leili Mara Mateus da Cunha, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), Brasília, DF, Brasil

Bacharel em Bioedicina pelo Centro Universitário de Brasília, Especialista em Saúde Pública com Ênfase em Vigilância Sanitária.

Gabriela de Oliveira Silva, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), Brasília, DF, Brasil

Farmacêutica, Mestra em Políticas Públicas em Saúde. Especialista em Vigilância Sanitária. Habilitação em Indústria. 

Ricardo Malaguti, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), Brasília, DF, Brasil

Possui graduação em Nutrição pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo - FSP/USP, Especialização em Saúde Pública pela FSP-USP, Mestrado em Saúde Pública, área de concentração: epidemiologia pela FSP-USP, Especialização em Saúde Coletiva, área de concentração: planejamento em saúde, pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia - ISC/UFBA, Especialização em Gestão da Clínica pelo Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês IEP/HSL, Especialização em Avaliação em Saúde pela FIOCRUZ, Especialização em Gestão de Hospitais Universitários peloInstituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês IEP/HSL

Grasiela Piuvezam, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSCOL), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil

Professora do Departamento de Saúde Coletiva e do Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Doutora e mestre em Ciências da Saúde pela UFRN.

Downloads

Publicado

2021-02-26

Como Citar

Sasso, M. A. D., Newton Machado Bezerra, I. ., Beatriz Matinada da Silva, T. ., Mara Mateus da Cunha, L. ., Silva, G. de O., Malaguti, R., & Piuvezam, G. (2021). Planos de contingência para a vigilância em saúde na pandemia da COVID-19: análise de conformidades em uma rede de hospitais públicos de ensino. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia (Health Surveillance under Debate: Society, Science & Technology) – Visa Em Debate, 9(1), 18-28. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01780

Edição

Seção

COVID-19/SARS-CoV-2 Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)