Utilização de plaquetas e de produtos derivados de plaquetas humanas em terapias avançadas

  • Marcus Vinicius Telles Teixeira Faculdade de Medicina de Petrópolis/FASE
  • Esther Rieko Takamori Faculdade de Medicina de Petrópolis/FASE
  • Karla Menezes Faculdade de Medicina de Petrópolis/FASE
  • Rosana Bizon Vieira Carias Faculdade de Medicina de Petrópolis/FASE
  • Radovan Borojevic Faculdade de Medicina de Petrópolis/FASE
Palavras-chave: Plaquetas, Plasma Rico em Plaquetas, Regeneração, Medicina Regenerativa

Resumo

Introdução: As plaquetas têm um papel central no processo da resposta tecidual à injúria, atuando na hemostasia primária e na coagulação, e liberando de maneira coordenada as moléculas bioativas importantes para a angiogênese e para a regeneração tecidual. O uso clínico não transfusional de produtos derivados de plaquetas, como o Plasma Rico em Plaquetas (PRP), baseia-se na sua habilidade de maximizar o processo de regeneração celular, em lesões com dificuldades de reparo natural. Objetivo: Esta revisão aborda as características e potencialidades do uso clínico de plaquetas e seus derivados e discute seu arcabouço legislativo no contexto brasileiro. Método: Foram consultadas as bases de dados PubMed, Biblioteca Virtual em Saúde, páginas eletrônicas da Anvisa e do ministério da Saúde, entre setembro 2017 e janeiro de 2018. Resultado: O PRP é produto derivado de plaquetas que não pode ser quimicamente definido, e o seu uso clínico aqui discutido não é ortólogo. Conclusão: Dessa maneira, podemos considerar a aplicação do PRP como uma Terapia Celular Avançada, sendo fundamental padronizar protocolos, estabelecer critérios de controle de qualidade (rastreabilidade, eficácia e fármaco-vigilância), tornando seu uso devidamente controlado pelos órgãos competentes, com maior segurança na sua utilização.
Publicado
2018-02-28
Como Citar
Teixeira, M., Takamori, E., Menezes, K., Carias, R., & Borojevic, R. (2018). Utilização de plaquetas e de produtos derivados de plaquetas humanas em terapias avançadas. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 6(1), 125-136. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01064