Ensaio do linfonodo local murino (LLNA) na diferenciação entre a dermatite de contato alérgica e de contato irritante: um estudo da expressão de marcadores de superfície de linfócitos T

  • Bárbara Andréa Fortes dos Santos Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ
  • Edson Roberto Alves de Oliveira Instituto de Química, Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ
  • Marciano Viana Paes Instituto Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ
  • Fabio Coelho Amendoeira Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (INCQS/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ
  • Isabella Fernandes Delgado Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ
  • Ana Cristina Martins de Almeida Nogueira Instituto Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ
Palavras-chave: Dermatite de Contato, LLNA, Método Alternativo, Vigilância Sanitária

Resumo

Introdução: O ensaio do linfonodo local murino (LLNA) foi desenvolvido como uma alternativa aos testes de Buhler e Maximização. O teste é utilizado com o objetivo de identificar substâncias capazes de induzir dermatite de contato e tem como desfecho a quantificação celular nos linfonodos auriculares. Embora recomendado por agências internacionais envolvidas no desenvolvimento de metodologias alternativas, o LLNA ainda necessita de aprimoramento. Objetivo: O objetivo do trabalho foi estudar possíveis diferenças nos padrões de subpopulações linfocitárias entre camundongos tratados com substâncias irritantes e dermosensibilizantes. Método: Os animais foram tratados com os sensibilizantes dinitroclorobenzeno (DNCB) e parafenilenidiamina (PPD), os irritantes lauril sulfato de sódio (LSS) e tritonX-100 (TX-100), por três dias consecutivos no dorso de ambas as orelhas. As subpopulações foram analisadas por citometria de fluxo e possíveis alterações histopatológicas nas orelhas dos animais foram também analisadas. Resultados: Foram observadas diferenças nas células CD4+CD25+ e CD4+CD69+, assim como na proliferação dessas subpopulações. Nenhuma diferença foi vista nos estudos histopatológicos das orelhas dos animais quando tratados com dermosensibilizantes ou irritantes. Conclusões: A fenotipagem de linfócitos T pode ser considerada útil no desenvolvimento de possíveis protocolos de ensaios que visem a diferenciação entre substâncias dermosensibilizantes e irritantes. Além disso, os resultados obtidos podem vir a contribuir com o aumento do conhecimento nesta área e auxiliar na busca por um ensaio in vitro correlato.

Biografia do Autor

Ana Cristina Martins de Almeida Nogueira, Instituto Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ
Imunologia com enfase em imunidade inata e aplicada a viglância sanitária.
Publicado
2018-08-31
Como Citar
Santos, B., Oliveira, E., Paes, M., Amendoeira, F., Delgado, I., & Nogueira, A. C. (2018). Ensaio do linfonodo local murino (LLNA) na diferenciação entre a dermatite de contato alérgica e de contato irritante: um estudo da expressão de marcadores de superfície de linfócitos T. Vigilância Sanitária Em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, 6(3), 54-63. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01088
Seção
Artigo